SÃO PAULO - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta segunda-feira que o governo deve anunciar em janeiro importantes medidas contra os impactos da crise financeira global no País.

Presente à abertura da Couromoda 2009, Lula disse também que pretende se reunir até o início de fevereiro com governadores para discutir novas medidas.

"Este mês de janeiro é um mês em que estamos trabalhando para que a gente prepare todas as medidas. Como nós anunciamos o PAC em 22 de janeiro de 2007, nós vamos ter medidas importantes para anunciar neste mês de janeiro", disse Lula a jornalistas.

"Se nós não tomarmos iniciativa de fazermos as coisas neste primeiro trimestre, aí sim podemos correr o risco de a crise chegar aqui mais forte do que deveria chegar", disse o presidente. A afirmação veio em tom de desabafo, em que Lula criticou os que "vivem dizendo que o governo tem que cortar gastos". Segundo ele, serão feitos os cortes que forem possíveis no custeio da máquina, porém os investimentos estão garantidos.

Ele defendeu que governadores e prefeitos sigam a mesma receita.

O presidente voltou a ressaltar as boas condições da economia brasileira em meio à turbulência externa, mas admitiu a existência de alguns "problemas domésticos" que preferiu não revelar. Nesse contexto, Lula reiterou que o governo deverá anunciar novas medidas de combate à crise ainda neste mês, porém não detalhou quais seriam elas.

Lula jogou ainda, para os países desenvolvidos, grande parte da responsabilidade da resolução da crise. Ele afirmou que o presidente eleito dos EUA, Barack Obama, tem um "pepino" em suas mãos e que não poderá perder tempo para agir. "Os Estados Unidos não têm que resolver só o problema dos Estados Unidos, mas de centenas de países periféricos que dependem deles", alfinetou o presidente brasileiro.

(Com informações da Reuters e Valor Online)

Leia também:

Leia mais sobre crise financeira

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.