Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Lula: novo presidente dos EUA precisa debelar crise logo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou acreditar que o próximo presidente norte-americano vá debelar a crise financeira internacional logo após as eleições. Não é possível que quem ganhar essa eleição vai deixar a crise durar um ano, pois assim a economia não agüenta.

Agência Estado |

Portanto, as pessoas têm de tomar medidas rápidas", disse hoje.

Lula voltou a reclamar dos que prevêem forte impacto da crise na economia brasileira. "Como se não bastasse dizer só a verdade: que a crise é grave e criada pelos países ricos e não em Tucuruí, em Garanhuns ou no Brasil ou na Venezuela. A doença (crise) tem gravidade, mas se dermos o remédio certo não precisamos fazer a apologia da morte como alguns fazem", afirmou o presidente.

Lula fez os comentários durante inauguração da segunda casa de força da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, no Pará. Também acompanhou as obras da eclusa que vai permitir a navegabilidade do rio Tocantins, com recursos de R$ 1,2 bilhão do Programa de Aceleração de Crescimento (PAC). Ao comentar as obras, Lula reafirmou que os investimentos do PAC não vão parar e convocou as empresas brasileiras a se apoiarem no potencial do mercado interno para superar a crise.

"Vamos trabalhar com empresários brasileiros para que eles não parem suas obras. Alguns setores exportadores perderão um pouco e terão de procurar novos mercados. Mas temos um potencial de mercado interno que poucos países têm, com uma sociedade ávida para comprar geladeiras, carros, casas", destacou Lula.

O presidente pediu ainda que "ninguém pare os investimentos" por conta da crise. "Vamos reagir mantendo as obras, incentivando a produção, fazendo com que o crédito chegue. Na hora que o vendaval passar, quem estiver mais preparado vai levar o jogo". Lula fechou o discurso afirmando: "Contra a recessão, mais produção".

Antes do presidente, a ministra da Casa Civil Dilma Roussef também frisou que o País hoje tem condições de enfrentar a crise. "O mundo inteiro enfrenta falta de crédito. O que temos de diferente é que o governo tem condições de auxiliar o setor privado e permitir que os investimentos sejam mantidos", disse.

Usina

A primeira casa de força da hidrelétrica de Tucuruí, com potência instalada de 4.245 megawatts, foi concluída em 1992. Sem verbas, as obras desta segunda etapa só recomeçaram em 1998. Apesar de inaugurada hoje, a segunda etapa já funciona desde o ano passado, somando 4.125 megawatts. No total, portanto, são 8.370 megawatts, ou 10% da potência instalada do País.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG