Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

UE faz inspeção de surpresa no setor de distribuição de cereais

A Comissão Européia indicou nesta quinta-feira ter realizado inspeções de surpresa no setor da distribuição e comércio de cereais por causa das suspeitas de um acordo secreto entre empresas para aumentar o preço dos mesmos.

EFE |

Lula assegurou, em um fórum empresarial em Hanói, onde realiza uma visita oficial de um dia, que "os números não fazem justiça ao potencial de investimento e troca dos dois países".

"O comércio está limitado a produtos de baixo valor agregado", afirmou.

A balança comercial entre ambos os países aumentou de maneira significativa nos últimos anos, chegando a US$ 113,8 milhões em 2005, US$ 204 milhões em 2006 e US$ 323 milhões em 2007.

O presidente manifestou que "é um momento propício para aprofundar as relações", tendo em vista o bom momento que ambos os países atravessam, e apontou como terreno para a cooperação os biocombustíveis, a construção, a agricultura e a energia.

Lula anunciou no fórum empresarial o acordo de um memorando de entendimento entre os bancos centrais de Brasil e Vietnã, e fez uma chamada às autoridades vietnamitas para "trabalharem unidas" a fim de liberalizar o comércio internacional como fórmula de conseguirem maiores benefícios para os países em desenvolvimento.

A este acordo são acrescentados outros quatro em ciência e tecnologia, luta contra a pobreza, fome, esportes e outro que cria uma comissão mista de acompanhamento, cuja ratificação Lula presenciara acompanhado por seu homólogo vietnamita, Nguyen Minh Triet, no Palácio Presidencial de Hanói.

"Os memorandos que assinamos hoje representam os alicerces legais que abrem caminho para que nossas relações sejam fortalecidas (...) os dois países estão distantes geograficamente, mas compartilham uma estreita irmandade", manifestou o dirigente vietnamita.

Triet expressou sua determinação para fazer com que as relações com o Brasil abranjam todos os âmbitos, tanto o econômico quanto o de cooperação e investimentos, e aceitou o convite feito por Lula para visitar o país "o mais rápido possível".

Já Lula apontou a necessidade de que as duas nações intensifiquem os contatos para defenderem seus interesses comuns nos fóruns internacionais, sobretudo diante da "insegurança alimentar e energética" provocada pela alta dos preços.

"Temos a convicção de que os problemas globais não podem ser resolvidos apenas pelos grandes países", afirmou o presidente, que chegou a Hanói depois da Cúpula do Grupo dos Oito (G8, grupo dos sete países mais ricos do mundo e a Rússia), realizada esta semana no Japão.

A reunião entre os dois líderes foi emoldurada com declarações de mútua simpatia.

Lula lembrou da "luta" do Vietnã por ganhar sua independência, e afirmou que por isso o país asiático "merece o respeito da Humanidade", pois deu uma lição ao mundo e mostrou que, "quando se quer uma coisa e há determinação, é possível ser invencível".

"Fiquei tão orgulhoso da vitória vietnamita quanto os próprios vietnamitas", assinalou Lula, para concluir afirmando que o triunfo do Vietnã "foi a vitória dos oprimidos".

"E nós nos sentimos co-participantes", afirmou.

O presidente brasileiro também teve reuniões com o primeiro-ministro vietnamita, Nguyen Tan Dung; com o secretário-geral do Partido Comunista do Vietnã, Nong Duc Manh e com o presidente da Assembléia Nacional, Nguyen Phu Trong, entre outras autoridades do país.

Esta é a primeira vez que um chefe de Estado brasileiro visita o Vietnã desde que ambas as nações estabeleceram relações diplomáticas em 1989.

Lula, que é acompanhado por ministros, altos funcionários e por uma delegação empresarial, viaja esta noite ao Timor-Leste, onde realizará amanhã uma visita oficial de algumas horas antes de seguir viagem rumo à Indonésia, última escala de sua viagem asiática, que será concluída em 12 de julho. EFE jpc/fh/gs

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG