O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu hoje a atuação do Banco Central (BC), que elevou os juros básicos da economia na quarta-feira em 0,75 ponto porcentual, para 9,5% ao ano, como forma de controlar a inflação. Durante a cerimônia de posse da nova diretoria da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), no Clube Monte Líbano, em São Paulo, Lula garantiu aos empresários que o governo não será imprudente em relação à economia apenas por se tratar de um ano eleitoral.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu hoje a atuação do Banco Central (BC), que elevou os juros básicos da economia na quarta-feira em 0,75 ponto porcentual, para 9,5% ao ano, como forma de controlar a inflação.

Durante a cerimônia de posse da nova diretoria da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), no Clube Monte Líbano, em São Paulo, Lula garantiu aos empresários que o governo não será imprudente em relação à economia apenas por se tratar de um ano eleitoral. "Não podemos, por conta das eleições, afrouxar o controle da economia. Se a gente deixar a coisa desandar, ela não volta mais", afirmou.

Lula lembrou o tempo em que o Brasil registrava inflação de 80% ao mês. "Eu não quero isso", disse. "Não há eleição que me faça jogar fora o que nós acumulamos nesse período, que é um patrimônio do povo brasileiro."

Sem citar exemplos, ele disse que houve "momentos de ouro" na economia brasileira que presidentes deixaram passar, sem tomar as atitudes corretas. "Quem tiver que ganhar essas eleições, encontrará um país arrumado, com credibilidade", garantiu.

Lula comparou a atuação do BC a um carro a 100 km/h prestes a entrar em uma curva. "Se a gente não breca no tempo certo e deixa para o meio da curva, pode quebrar a cara", comparou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.