Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Lula crê em freio contra especulação

Diante das manifestações dos chefes de Estado, das reações aos discursos na Assembléia Geral das Nações Unidas (ONU) e de uma reportagem do jornal The New York Times, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva avaliou ontem que a discussão sobre a crise financeira vai se transformar, de maneira inexorável, em um debate multilateral, e criar regras para controlar a especulação desenfreada. Na edição de ontem, o diário nova-iorquino lembrou que os líderes que discursaram na ONU destacaram o fato de que o tremor (financeiro) nos Estados Unidos ameaçava a economia global.

Agência Estado |

Depois da constatação, o jornal destaca uma frase do presidente Lula, dita no discurso de abertura da Assembléia Geral: "O ônus da cobiça desenfreada não pode cair impunemente sobre todos."

Ao sair de um almoço com os integrantes da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), o presidente comentou a citação no The New York Times: "Eu acho que todo mundo queria falar o que eu falei. Eu só tive a sorte de falar primeiro."

Em entrevista coletiva concedida no hotel Waldorf Astoria, um dos mais famosos de Nova York, Lula lembrou que participaria ontem à noite de mais uma discussão sobre a crise financeira internacional, durante reunião promovida pelo primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, e dirigentes de Espanha, Inglaterra, Austrália e França, além de autoridades do Fundo Monetário Internacional (FMI).

"Penso que será inexorável que a discussão da crise financeira tome maior fôlego daqui para a frente. Não é justo que as pessoas pobres, que não ganharam dinheiro com a especulação, sejam vítimas da especulação feita por banqueiros em algumas partes do mundo", afirmou.

Lula destacou a importância do crescimento econômico e acrescentou: "Eu acho que todos os órgãos multilaterais precisam encontrar uma proteção para que os países pobres, que passaram 20 anos sem crescer e agora estão crescendo, não sejam vítimas de uma ciranda financeira, ou de um cassino que inventaram aqui nos EUA."

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG