Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Lula anuncia grupo para discutir segurança alimentar no Mercosul

San Miguel de Tucumán, Argentina, 1º - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou hoje a criação de um grupo de alto nível para discutir segurança alimentar no Mercosul. A proposta, segundo Lula, foi feita pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez.

Agência Estado |

"Esse grupo vai permitir que nós possamos discutir no Mercosul e na União de Nações Sul-Americanas (Unasul) sobre as necessidades alimentícias de cada país e sobre a crise alimentar que ainda não está muito explicitada", disse Lula em discurso na 35ª Cúpula do Mercosul, na cidade argentina de San Miguel de Tucumán.

O presidente afirmou que a crise alimentar tem duas particularidades: "Uma é prazerosa porque é o fato das pessoas mais pobres estarem comendo mais", disse. "Isso é um bom problema porque significa que estamos desafiados a produzir mais alimentos para alimentar mais gente. É mais simples produzir alimentos do que construir uma fábrica ou fazer uma via". Por isso, disse, que os países sócios do Mercosul não devem ver a crise "como um problema a longo prazo, porque no curto prazo podemos ajudar a resolver esse problema".

A segunda particularidade mencionada pelo presidente "é que até agora não se discutiu sobre os estoques reguladores que não tiveram reposição, desde 2001. Foram 175 milhões de toneladas de grãos consumidos dos estoques que haviam no mundo". "E não foram repostos porque os países ricos pagavam para seus produtores não produzirem nem leite, nem outros produtos", disse.

O presidente considera que um aspecto grave do momento é que "a crise da especulação imobiliária nos Estados Unidos envolveu muitos bancos europeus que até agora não assumem a responsabilidade pela crise". "Parece que os bancos centrais não perderam dinheiro; parece que não houve crise e até agora o FMI (Fundo Monetário Internacional) não deu palpite de como os Estados Unidos pode consertar a crise", criticou.

"O dado preocupante é que nós temos dois problemas importantes que não estão sendo discutidos com muita clareza: o mercado de futuro de alimentos, que permite que um produtor de milho ou de soja possa vender sua produção daqui a três anos sem ter produzido a preço do mercado futuro, que precifica o preço do presente, e isso pode ser extremamente grave; é preciso aprofundar essa discussão e fazer uma investigação do que está acontecendo", afirmou.

Biocombustível

Lula comentou que vai participar da reunião do G-8 (grupo dos sete países mais ricos e a Rússia) no próximo dia 7, no Japão. Mas, segundo ele, não queria ir para aquele país. "Só vou para ter oportunidade de dizer um pouco das coisas que disse aqui e para ver se alguém aceita discutir os problemas com a dimensão que precisa." Neste sentido, o presidente disse que nos dias 20 e 21 de novembro vai convocar "uma grande discussão internacional sobre essa questão do biocombustível, dos alimentos, para saber a verdade".

"Se alguém me convencer que é o biocombustível que vai provocar a fome no mundo, não trocarei o estômago por um tanque de gasolina. Mas o que precisa é fazer um debate de extrema qualificação técnica sobre isso."

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG