Tamanho do texto

BRASÍLIA - O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, informou nesta segunda-feira, durante a tradicional reunião de coordenação política, que está satisfeito com as medidas adotas para minimizar os efeitos da crise financeira internacional no País.

Na semana passada, após reunião com 30 empresários, o governo anunciou um pacote de medidas para combater a crise. Entre elas está a reformulação da tabela do Imposto de Renda sobre pessoas físicas, que aumenta o número de alíquotas com o objetivo de promover um alívio para aqueles que ganham menos. Outra medida é a redução na cobrança dos Impostos sobre Operações Financeiras (IOF) que incide sobre os empréstimos, o que poderia resultar em uma redução das taxas de juros cobradas pelos bancos.

Além disso, o governo também autorizou a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) na compra de automóveis. Para carros populares, de até mil cilindradas, o IPI cairá de 7% para zero. Para automóveis entre mil e duas mil cilindradas movidos à gasolina, será reduzida de 13% para 6,5%.

Segundo assessores do Planalto, os resultados das medidas já animam o presidente. Na opinião de Lula há um clima bom entre os empresários e os consumidores, afirmou um interlocutor do Planalto.

Prioridades do governo

Durante a reunião, o presidente também discutitu o atual cenário político do País. Lula destacou aos ministros que a prioridade do governo nesta semana são as votações do Orçamento para 2009 e o projeto que cria o Fundo Soberano do Brasil.

Para o presidente, o cenário econômico atual é de incerteza, portanto, as votações dessas duas matérias já seriam uma contribuição contra esse cenário.

A Comissão Mista do Orçamento prevê reuniões permanentes terça e quarta-feira para concluir a análise do parecer do senador Delcídio Amaral (PT-MS) ao projeto do Orçamento. O exame da matéria em sessão conjunta do Congresso deve acontecer na quarta-feira.

Além do presidente Lula, participaram da reunião o vice-presidente da República, José Alencar, os ministros José Múcio Monteiro (Relações Institucionais), Paulo Bernardo (Planejamento), Tarso Genro (Justiça), Franklin Martins (Comunicação Social).

Leia mais sobre crise financeira