Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Lucro líquido da Vivo aumenta 204,7% no terceiro trimestre

Rio de Janeiro, 11 nov (EFE).- A Vivo registrou lucro líquido de R$ 129,8 milhões no terceiro trimestre do ano, com crescimento de 204,7% frente ao mesmo período de 2007.

EFE |

O resultado positivo no terceiro trimestre reverteu os prejuízos de R$ 59,5 milhões do segundo trimestre, indica o relatório financeiro divulgado hoje pela empresa.

A operadora acumula ganhos de R$ 326,5 milhões nos nove primeiros meses do ano, incluindo os resultados da Telemig Celular, operadora cujo controle passou a assumir este ano.

Sem considerar os resultados da Telemig, a Vivo registrou perdas de R$ 127,7 milhões nos nove primeiros meses de 2007, e o prejuízo chegou a somar R$ 869,3 milhões no mesmo período de 2006.

Apesar de a operadora ter aumentado em 21% seu número de clientes em comparação ao terceiro trimestre de 2007, chegando a 42,277 milhões, sua participação no mercado brasileiro caiu de 31% há um ano para 30% em 2008.

A receita operacional líquida da Vivo cresceu 14,3% nos nove primeiros meses do ano frente ao mesmo período do ano passado e chegou a R$ 11,55 bilhões.

O Ebitda (resultado antes dos juros, impostos, depreciações e amortizações) entre janeiro e setembro chegou a R$ 3,5 bilhões, com expansão de 36% frente aos nove primeiros meses de 2007.

O Ebit (lucro operacional) aumentou 93,9% nos nove primeiros meses do ano, até alcançar R$ 1,278 bilhão.

Os investimentos da empresa saltaram 165,2% e somaram R$ 2,695 bilhões nos três primeiros trimestres do ano.

O presidente da Vivo, Roberto Lima, disse que o plano de investimentos da empresa para este ano é o maior de sua história por causa das formas para operar a tecnologia 3G e que espera não ter que reduzir os investimentos nem neste nem no próximo ano.

Lima disse que "a restrição ao crédito ainda não é sentida pelos consumidores brasileiros", e que apesar da preocupação com a crise global, a Vivo tem recursos em caixa suficientes (R$ 1,97 bilhão) e até agora não sofreu por falta de crédito.

A dívida líquida da empresa aumentou 57,4% em um ano, até alcançar R$ 3,998 bilhões principalmente pelas captações realizadas para adquirir a Telemig.

Em seu relatório, a empresa atribuiu os resultados positivos aos esforços realizados para reduzir os custos, que caíram 7,3% na comparação com o terceiro trimestre de 2007, assim como à diminuição de 16,4% da provisão para devedores duvidosos. EFE cm/wr/fal

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG