Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Lucro do BicBanco triplica para R$ 104 milhões no trimestre

SÃO PAULO - O BicBanco encerrou o segundo trimestre do ano com lucro líquido de R$ 104,7 milhões, resultado mais de três vezes superior que os R$ 33 milhões observados em igual período do ano passado. A rentabilidade sobre o patrimônio (ROAE) foi de 27,5% no trimestre, alta de 10 pontos percentuais no comparativo anual.

Valor Online |

No semestre, o banco, que tem foco no crédito para empresas de pequeno e médio porte (middle markert), embolsou R$ 196,6 milhões, alta de 142% sobre os R$ 81,2 milhões obtidos de janeiro a junho de 2006. O ROAE foi de 25,5%.

Em 12 meses, as operações de crédito da instituição subiram 57%, somando R$ 9,171 bilhões. O crédito corporativo representava 94,1% das operações, compreendido por empresas de médio e grande portes. O crédito consignado correspondia a 4,6% e o crédito pessoal, a 1,3% do total da carteira.

O resultado da intermediação financeira cresceu 90%, para R$ 203,4 milhões entre abril e junho, enquanto as receitas avançaram 36% e as despesas com intermediação subiram 10,7%. Já a receita com a prestação de serviços aumentou 50,8%, somando R$ 15,7 milhões.

O saldo da linha de capital de giro, principal produto do banco, somou R$ 5,158 bilhões ao final de junho, representando 56,2% do total da carteira de crédito, com crescimento 94,7% nos últimos 12 meses.

Os empréstimos vencidos a partir de 15 dias representavam 0,7% do total da carteira de crédito. Segundo o banco, o ambiente econômico favorável tem contribuído para que esta relação tenha permanecido abaixo de 2% nos últimos 3 anos.

No encerramento do trimestre, as provisões para cobertura de créditos de liquidação duvidosa acumularam um montante de R$ 167,2 milhões, saldo 40,8% superior ao do segundo trimestre de 2007. De acordo com banco, a provisão mantém um índice confortável de cobertura de 260,7% sobre os créditos vencidos a partir de 15 dias, e de 68,5% sobre a carteira D-H (de maior risco).

As despesas operacionais subiram 29%, para R$ 34,2 milhões e as despesas administrativas somaram R$ 29,1 milhões, alta de 34,8%. O resultado operacional somou R$ 109,9 milhões, crescimento de 153% sobre o segundo trimestre do ano passado.

Os ativos totais do banco somavam R$ 11,9 bilhões ao final de junho no segundo trimestre de 2008, apresentando uma expansão de 8,9% no trimestre e evolução de 34,4% no período de 12 meses.

O volume de recursos captados atingiu R$ 8,851 bilhões no trimestre, com aumento de 50,7% nos últimos 12 meses. Os depósitos a prazo, principal fonte de recursos, totalizaram R$ 5,253 bilhões e registraram crescimento 69,9% no mesmo período.

Os depósitos a vista, de poupança e interfinanceiros somaram R$ 592,2 milhões. O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) de crédito consignado lançado em março de 2008 registrou R$ 160,2 milhões e as obrigações por repasses do BNDES outros R$ 24,3 milhões. A captação externa atingiu R$ 1,607 bilhão, aumento de 26,2% no comparativo anual.

No trimestre, o índice de eficiência alcançou 34,8%, o que representa melhora de 14,2 pontos percentuais sobre o segundo trimestre de 2007. O índice aponta o quanto os custos representam da receita.

(Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG