Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Lucro do Banco do Brasil aumenta 36,9% no 3º trimestre, a R$ 1,867 bi

SÃO PAULO - O terceiro trimestre de 2008 significou para o Banco do Brasil (BB) um lucro líquido de R$ 1,867 bilhão, superior em 36,9% em comparação ao R$ 1,364 bilhão dos mesmos três meses de um ano antes. Sem efeitos extraordinários, o lucro correspondeu a R$ 2,037 bilhões, com expansão de 24% ante o R$ 1,642 bilhão de julho a setembro de 2007.

Valor Online |

O resultado bruto da intermediação financeira ficou em R$ 3,579 bilhões no terceiro trimestre deste calendário ante os R$ 3,850 bilhões registrados um ano atrás. A provisão para créditos de liquidação duvidosa somou R$ 1,367 bilhão, 11% a mais do que o R$ 1,232 bilhão reservado nos três meses até setembro do exercício passado.

A carteira de crédito total, incluindo carteira externa, interna e prestação de garantias, situou-se em R$ 214,5 bilhões, uma elevação de 6,9% no trimestre. Pelo conceito determinado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), a carteira de crédito encerrou o trimestre com saldo de R$ 202,2 bilhões, avanço de 34,6% em 12 meses.

"Merece destaque a evolução de 45,4% da carteira de crédito pessoa física em 12 meses. No final do período, a carteira PF (incluindo Besc) alcançou R$ 42,9 bilhões. O crédito consignado, carro-chefe da carteira com R$ 14,5 bilhões, cresceu 32% em relação ao ano anterior", salientou o BB em nota.

A instituição chamou atenção ainda para a elevação de 151,7% no financiamento a veículos em comparação com setembro de 2007. No trimestre, a expansão foi de 19,3%, para R$ 5,6 bilhões.

Até setembro, como destacou em nota, o BB já havia negociado R$ 1,5 bilhão em carteiras de crédito consignado de outros bancos. "Com a circular do Bacen que reduziu o compulsório para a aquisição de carteiras de crédito, o BB ampliou suas operações e passou a negociar também carteiras de veículos e de pessoa jurídica", acrescentou.

Nos nove primeiros meses de 2008, o lucro líquido do banco foi de R$ 5,859 bilhões e o lucro sem efeitos extraordinários correspondeu a R$ 5,059 bilhões. Essas cifras são comparáveis aos respectivos R$ 3,841 bilhões e R$ 4,590 bilhões acumulados em igual intervalo do exercício antecedente.

(Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG