SÃO PAULO - A Philips fechou o terceiro trimestre deste ano com lucro líquido de 357 milhões de euros, 7,8% maior que em igual período do ano passado. O faturamento da companhia, por sua vez, encolheu 2%, para 6,334 bilhões de euros entre julho e setembro.

Segundo a empresa, suas divisões de saúde e iluminação apresentaram crescimento de 5% e 6% nas vendas, respectivamente, apesar das condições adversas de mercado. Isso serviu para elevar o lucro total no período, apesar da retração no faturamento total.

Esse declínio, segundo a Philips, ocorreu por uma queda de 600 milhões de euros nas vendas de sua divisão de eletrônicos de consumo, mais da metade disso causado por um reposicionamento da companhia na área de TVs.

A empresa ainda foi afetada por um gasto não-recorrente de 285 milhões de euros. A maior parte desse valor tem a ver com um acordo final sobre responsabilidade pelo descarte de asbesto.

"Embora a Philips não possa se isolar das cada vez mais adversas circunstâncias econômicas, é encorajador ver que o portfólio que construímos ao longo dos últimos anos realmente nos mostra a resistência que esperamos dele", afirmou o presidente e executivo-chefe da empresa holandesa, Gerard Kleisterlee.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.