Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Lucro da Guararapes encolhe 80%, para R$ 8,9 milhões no trimestre

SÃO PAULO - A Guararapes Confecções, controladora da Lojas Riachuelo, fechou o terceiro trimestre do ano com lucro líquido de R$ 8,9 milhões, montante 80% menor que os R$ 44,34 milhões obtidos em igual período do ano passado. Considerando incentivos fiscais, o lucro fica em R$ 24,5 milhões, ainda assim um resultado 53,2% menor que os R$ 52,4 milhões obtidos em igual período do ano passado.

Valor Online |

No trimestre, a receita líquida da companhia apresentou crescimento de 14,3%, somando R$ 477 milhões de reais. Já os ganhos com operação financeira caíram 36,6%, para R$ 41,5 milhões.

A geração de caixa medida pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado (inclui receita financeira com venda e incentivos fiscais) teve redução de 34% no comparativo anual, totalizando R$ 60,5 milhões. Já a margem Ebitda caiu de 21,9%, para 12,7%.

As despesas com vendas totalizaram R$ 189,8 milhões no trimestre, crescimento de 22,4% sobre o registrado entre julho e setembro de 2007. Excluindo perdas e provisão para devedores duvidosos, o aumento fica em 17,5%, e segundo a companhia, reflete as despesas das 10 lojas inauguradas entre 2007 e 2008. Já as despesas gerais e administrativas cresceram 31,2%, para R$ 65,8 milhões.

A Guararapes aponta que o grande destaque do trimestre foi o início das atividades da Midway Financeira, ocorrido no mês de julho, que assumiu as operações relacionadas ao Cartão Riachuelo. A financeira apresentou receita de R$ 16,93 milhões no trimestre, resultado operacional de R$ 9,959 milhões e lucro líquido de R$ 5,99 milhões.

Ao final de setembro, a companhia atingiu a marca de 14,2 milhões de cartões, sendo 405,5 mil unidades emitidas no terceiro trimestre do ano. O ticket médio ficou em R$ 97,5 no trimestre, ante R$ 93,3 registrados no mesmo período do exercício anterior.

Apesar do crescimento na base, o cartão da loja perdeu participação nas vendas, de 66,5% no terceiro trimestre do ano passado, para 59,8% em igual período de 2008. Segundo a companhia, essa queda reflete o estágio de construção de uma nova base de usuários em lojas recém-inauguradas.

Na linha "receita da operação financeira" - que inclui receita de vendas com juros, empréstimo pessoal e saques líquidas de funding, receitas geradas por seguros e receitas com multas e atrasos, o resultado foi negativo em R$ 7,977 milhões, contrastando com um resultado positivo de R$ 25,579 milhões registrado no terceiro trimestre do ano passado. Além das menores receitas, o desempenho da companhia nesse quesito também foi prejudicado pelas maiores provisões perdas com cartão e empréstimo pessoal.

A companhia ressalta que todos os números de 2007 estão apresentados em "pro forma", ou seja, contemplam as reclassificações referentes ao incentivo fiscal de ICMS e receitas com operações financeiras.

(Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG