Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Lojas Americanas pretende reduzir impacto de novas lojas nas margens

SÃO PAULO - O diretor de finanças e de relações com investidores da Lojas Americanas, Timotheo Barros, reconheceu hoje que o agressivo plano de crescimento da rede deverá pesar nas margens operacionais da companhia, mas garantiu que o grupo buscará alternativas para mitigar esse impacto. Segundo ele, as novas lojas da varejista levam um prazo médio de maturação de um ano e meio. Na chamada fase de partida, a geração de caixa dessas unidades não correspondem à sua elevada estrutura de custo, acrescentou.

Valor Online |

"De qualquer forma, temos que buscar alternativas de minimizar esse descasamento", afirmou o executivo durante teleconferência com analistas sobre os resultados da empresa em 2009, quando a margem da geração de caixa medida pelo Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ficou em 13,2% da receita líquida, acima da marca de 2008 (12,8%).

Como parte das alternativas para "esterilizar" impactos na margem Ebitda e melhorar a taxa de retorno do investimento, a Lojas Americanas busca condições favoráveis tanto nos custos das obras como dos financiamentos.

Nesse último ponto, Barros disse que a varejista está reunindo toda a documentação necessária para entregar o projeto de expansão ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O grupo vê grande potencial de crescimento nos próximos anos, dado que a rede está instalada, com 476 lojas, em apenas 150 dos mais de 5,5 mil municípios do país. Estudos encomendados pela Lojas Americanas mostram a viabilidade de a rede chegar a mais 200 cidades.

O plano do grupo prevê a abertura de 400 lojas até 2013, sendo a metade delas na região Sudeste. No período serão investidos R$ 1 bilhão na expansão da rede, em reformas das lojas existentes, em logística e tecnologia.

Só em 2010, serão inauguradas entre 60 e 70 unidades. Desse total, Barros informou que a companhia já inaugurou duas lojas e tem contratos assinados ou em fase final de elaboração para outras 39 unidades, o que inclui a entrada da rede em dez cidades.

(Eduardo Laguna | Valor)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG