Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Lobão pede que empresas do Madeira parem de brigar

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, fez hoje um apelo para que os consórcios vencedores dos dois leilões das usinas hidrelétricas do Rio Madeira - Santo Antonio e Jirau - parem com as disputas. Ele informou que vai se reunir ainda esta semana com representantes dos dois consórcios vencedores - liderados por Furnas/Odebrecht e Suez - para tentar fazer com que os empresários cheguem a um entendimento que encerre a batalha que vêm travando nos bastidores.

Agência Estado |

"Este é um momento mais para engenheiros do que para advogados. Precisamos iniciar as duas obras", disse Lobão, após participar da cerimônia de assinatura do contrato de concessão de Jirau, no Palácio do Planalto.

O consórcio liderado por Furnas e Odebrecht, vencedor de Santo Antonio, vem se desentendendo com o consórcio capitaneado pelo grupo da multinacional francesa Suez, vencedor de Jirau, por conta da proposta deste último de mudar em nove quilômetros o local onde a hidrelétrica será construída. O consórcio da Odebrecht cogita inclusive ir à Justiça para questionar essa mudança. "Nós estamos assistindo a uma disputa entre os empresários. O governo brasileiro não vai admitir que a população seja prejudicada pela disputa entre os dois consórcios", disse Lobão, afirmando que falava em nome de todo o governo.

A usina de Jirau foi arrematada pelo consórcio Energia Sustentável do Brasil, liderado pela francesa Suez Energy. A construtora Odebrecht, integrante do consórcio Madeira Energia, foi vencedora em Santo Antônio e derrotada em Jirau.

Lobão voltou a fazer ameaças de que o governo pode intervir em ambas as usinas e construí-las sozinho, por meio da Eletrobrás, caso a briga entre as empresas vá parar na Justiça atrasando o cronograma. "Eles vão chegar a um acordo, se não chegarem, o governo tem seus meios de agir e fazer com que a obra seja concluída", disse Lobão.

Petróleo

O ministro também lembrou que, na tarde de hoje, ele presidirá a segunda reunião da Comissão Interministerial que analisa propostas para reformular a legislação do petróleo no País.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG