BRASÍLIA - O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, negou hoje que projetos de 47 usinas de álcool tenham sido cancelados em função da crise. Para ele, houve apenas adiamento.

"As pessoas querem informações mais concretas sobre a crise. Do ponto de vista do governo, que aplica no PAC [Programa de Aceleração do Crescimento], não haverá nenhum corte e nenhum atraso."
O ministro lembrou que o orçamento do PAC é de meio trilhão de reais, "o que será muito dinheiro injetado na economia sem atraso". Lobão participa em Brasília de encontro promovido pelo Tribunal de Contas da União (TCU) para discutir a oferta e a demanda de energia.

Durante os dois dias de debate serão abordados temas como a energia nuclear e o ambiente, a produção de biocombustíveis e os riscos de desabastecimento.

(Agência Brasil)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.