Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Lobão minimiza crise e confirma leilão de linhas do Madeira

SÃO PAULO - O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, confirmou hoje a data de 31 de outubro próximo para a realização do leilão das linhas de transmissão das usinas do rio Madeira, em Rondônia. Diante do agravamento da crise financeira internacional, a possibilidade de adiamento do leilão vinha sendo aventada no mercado, em razão das dificuldades que os participantes da disputa poderão encontrar para obter o crédito necessário à realização do empreendimento.

Valor Online |

Lobão garante, no entanto, que a data será mantida. " Sempre haverá interessados em investir no setor energético brasileiro, pois se trata de um investimento seguro e rentável " , disse o ministro ao reiterar a manutenção da data do leilão. Ele admitiu, porém, que uma decisão contrária por parte da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) seria respeitada por seu ministério. " A Aneel terá total autonomia " , disse Lobão.

Do lado dos empreendedores, o presidente da Associação Brasileira da Infra-Estrutura e Indústrias de Base (Abdib), Paulo Godoy, manifestou certa preocupação com o cenário financeiro e disse " não ver problemas " em um eventual adiamento do leilão. Mesmo assim, informou que a entidade irá ouvir a opinião dos agentes do mercado e, se necessário, apresentar ao governo uma manifestação em favor do adiamento. " É melhor fazer isso (adiar) do que amargar um insucesso " , completou o dirigente.

Godoy alega que a estabilização do câmbio e do cenário de crédito para o financiamento do setor de infra-estrutura é muito importante para a realização do leilão. Ele lembrou que as linhas do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) já estão, de certa forma, definidas e garantidas, mas o problema está na parte que caberá aos empreendedores, que poderão ter dificuldades em captar no mercado. Com o crédito caro, a tendência é que caia o número de participantes e, conseqüentemente, o deságio do leilão, o que resultará em preços maiores para a energia.

Confirmado para 31 de outubro, o leilão será realizado às 10 horas na Bolsa de Valores do Rio de Janeiro. A construção das linhas varia de 36 meses a 50 meses a partir da assinatura dos contratos de concessão, prevista para janeiro de 2009. O custo das obras é estimado em R$ 7,21 bilhões.

(Murillo Camarotto | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG