Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Líderes mundiais buscam novos remédios contra crise econômica

Os líderes de Grã-Bretanha, França e União Européia (UE) se reúnem nesta segunda-feira, em Londres, num novo esforço para conter a expansão devastadora da crise econômica, enquanto as expectativas geradas por novas medidas de choque nos Estados Unidos e na China provocam uma forte alta nas Bolsas.

AFP |

Os mercados asiáticos registraram uma de suas melhores sessões das últimas semanas com altas espetaculares, uma tendência de euforia retomada na Europa, que os analistas atribuíram à perspectiva de um corte das taxas de juros nos Estados Unidos, acompanhado de um novo plano de revitalização econômica.

A reunião de Londres será protagonizada pelo primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, o presidente francês, Nicolas Sarkozy - presidente em exercício da União Européia - e o chefe da Comissão Européia, José Manuel Durão Barroso.

A reunião começará às 13H00 de Brasília e será dedicada ao estudo de medidas para revitalizar a economia européia, segundo uma fonte da presidência francesa.

O objetivo é dar "coerência" aos diferentes planos de resgate europeus "para transmitir uma mensagem de confiança no Conselho Europeu de 11 e 12 de dezembro em Bruxelas", acrescentou a fonte.

O encontro acontecerá no momento em que a economia européia perde empregos, principalmente no setor automobilístico. Nos EUA, os mercados aguardam a decisão dos congressistas sobre a ajuda solicitada pelas montadoras General Motors, Chrysler e Ford para evitar a falência.

Apesar disso, os investidores continuam confiantes nesta segunda-feira diante da possibilidade de uma intervenção contundente do presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, que assumirá o cargo em 20 de janeiro, para reativar a maior economia mundial e conter o aumento do desemprego.

Em Pequim, os dirigentes chineses abriram a Conferência Anual sobre o Trabalho Econômico Central, destinada a traçar os eixos da política econômica do gigante asiático para 2009, num momento de desaceleração do crescimento de sua economia.

bur-app/lm/fp

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG