BRASÍLIA - Líderes da oposição do governo na Câmara e no Senado se reuniram hoje (8) com o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, para tratar da crise financeira internacional. Os parlamentares fizeram críticas ao governo, avaliaram a crise como grave, mas se dispuseram a aprovar a Medida Provisória 422/08 que dá mais poderes ao Banco Central, que poderá comprar carteiras de crédito de instituições financeiras que tenham dificuldade de acesso a recursos.

O deputado Aníbal Ferreira Gomes (PMDB-CE) afirmou que os parlamentares se colocaram de forma favorável "a uma boa discussão", com alguns eventuais acréscimos ao texto. Mas, Aníbal afirmou que a MP é um Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional (Proer) "dissimulado" e "envergonhado". Segundo ele, o Proer, lançado em 1995 pelo governo Fernando Henrique Cardoso, foi necessário para dar estabilidade ao sistema financeiro, mas foi muito criticado pela oposição.

"No momento em que tivermos essa MP em discussão no plenário da câmara, se for necessário acrescentar alguma coisa, estaremos à disposição de fazê-lo. Não será nem necessário que o governo edite novas medidas provisórias, nós acrescentaremos a esta", disse.

Ele acrescentou que não compartilha "dessa posição governista de simplificação diante de uma crise que é grave e complexa". "Os brasileiros precisam ter um bom conhecimento do que está se passando para agir da melhor forma", defendeu.

O deputado Fernando Coruja (PPS-SC), ressaltou que a probabilidade é aprovar a MP 422. "Essa crise vai ter impacto na economia no final do ano que vem, o Brasil vai crescer menos. Queremos ajudar para que não haja problema no sistema financeiro, não haja problema de liquidez."
Coruja comentou ainda que o Banco Central brasileiro deve seguir outras autoridades monetárias no mundo que, em ação conjunta, decidiram baixar os juros para tentar evitar maior redução do crescimento econômico. "O Brasil precisa entrar na mão da história e diminuir a taxa de juros."
Anibal acrescentou que durante a reunião não se falou sobre o boato de que poderia ocorrer uma reunião extraordinária do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central hoje para baixar a taxa básica de juros.

O deputado ACM Neto (DEM-BA) afirmou que também não há dificuldade de analisar a MP 435/08, que acaba com o chamado risco cambial para exportadores que transformam em reais os dólares recebidos com vendas ao exterior. Com relação à MP 422, ACM Neto afirmou que a medida é "muito relevante e merece ser apreciada com rapidez".

(Agência Brasil)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.