Boa Vista, 05 - A Procuradoria Regional da República da 1ª Região (PRR-1) denunciou o líder arrozeiro e prefeito de Pacaraima, em Roraima, Paulo César Quartiero (DEM), pelos crimes de seqüestro e cárcere privado, roubo e dano qualificados. Se condenado, a pena pode chegar a 21 anos.

O caso será julgado pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1).

Quartiero lidera um movimento contrário à demarcação da terra indígena Raposa Serra do Sol em 1,7 milhão de hectares a nordeste de Roraima. No dia 27, o caso começou a ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro Carlos Ayres Britto votou pela manutenção da reserva contínua, mas o julgamento foi adiado pelo pedido de vista do ministro Menezes Direito.

A Procuradoria acusa o prefeito de coordenar invasão à missão religiosa do Surumu, a 230 quilômetros de Boa Vista, no dia 6 de janeiro de 2004, em retaliação à demarcação. Na época, várias pessoas invadiram o local, hoje transformado em escola indígena. Eles destruíram e subtraíram bens, ameaçaram religiosos, alunos e seqüestraram três padres.

Também foram denunciados Francisco Roberto do Nascimento, ex-prefeito de Pacaraima, e os índios Genival Costa da Silva, Nelson Silvino e Sterfeson Barbosa de Souza. Eles não foram encontrados hoje. Segundo a denúncia, a invasão ocorreu por volta de 3h da madrugada. O grupo agiu por três horas e meia e levou em carros diferentes os padres Ronildo Pinto de França, João Carlos Martines e César Alvallaneda. O seqüestro durou dois dias.

Quartiero nega as acusações e se diz vítima de perseguição do Ministério Público Federal. "Eu sou culpado por tudo que acontece em Boa Vista. Tenho uma coletânea de processos", ironiza. Para ele, o assunto é "requentado" e veio à tona por causa do julgamento da demarcação no Supremo. "Essa gente do MPF não tem o que fazer. Eu pago imposto para o governo me processar. Sou penalizado duplamente porque eles usam o dinheiro público e eu tenho que pagar advogado para me de defender", reclamou.

O arrozeiro garante que a denúncia não lhe traz preocupações, tanto é que pretende ampliar a produção de arroz na Raposa Serra do Sol e introduzir semente de soja transgênica na reserva. Hoje ele cultiva 1.280 hectares do grão na fazenda Providência. "Vou triplicar a produção na próxima safra", anuncia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.