O banco americano de investimentos Lehman Brothers anunciou na madrugada desta segunda-feira que vai se declarar em falência para proteger seus ativos e maximizar seu valor.

O gigante financeiro informou em um comunicado que a medida foi autorizada pelo conselho diretor e será levada nesta segunda-feira à Corte de Falências do distrito sul de Nova York.

"Os clientes do Lehman Brothers, incluindo os da subsidiária Neuberger Berman Holdings LLC, podem manter suas operações ou tomar a decisão que considerarem necessária em relação a suas contas", afirma o gigante das finanças no comunicado.

Um consórcio de 10 instituições financeiras privadas anunciou no domingo um plano para oferecer 70 bilhões de dólares em crédito para aliviar a crise gerada pelo eminente colapso do banco Lehman Brothers.

Bank of America, Barclays, Citibank, Credit Suisse, Deutsche Bank, Goldman Sachs, JP Morgan, Merrill Lynch, Morgan Stanley e UBS informaram em um comunicado conjunto que "deram início a uma série de ações para ajudar a aumentar a liquidez e mitigar a volatilidade sem precedentes e outros desafios que afetam as participações globais e os mercados financeiros".

O Federal Reserve (Fed, banco central americano) anunciou na noite de domingo que decidiu liberar o acesso a créditos de emergência para instituições financeiras em crise, em meio ao temor pelas eventuais conseqüências do colapso do banco de investimentos Lehman Brothers.

"Junto ao Departamento do Tesouro e a SEC (autoridade reguladora da atividade das Bolsas nos Estados Unidos), participamos em colaboração estreita nas negociações com os integrantes do mercado, inclusive durante o fim de semana, para identificar vulnerabilidades (...) e estudar medidas apropriadas para o setor oficial e o privado", disse o presidente do Fed, Ben Bernanke.

A garantia para os empréstimos especiais de emergência serão estendidos a todos os títulos de investimento.

A preocupação no sistema financeiro mundial pelo anúncio do Lehman Brothers provocou fortes quedas nos mercados da Europa e Ásia.

Na Europa, o índice CAC 40 da Bolsa de Paris caía 4,37% às 10H24 locais (5H24 de Brasília). O Dax de Frankfurt - maior mercado da zona euro - retrocedia 3,02% e o índice Footsie-100 de Londres registrava queda de 2,81%.

Antes mesmo da notícia, a Bolsa de Mumbai perdia 5,19%.

Taipé encerrou a sessão com retrocesso de 4,09%, a de Cingapura perdia 2,26% no meio da sessão e Sydney fechou em baixa de 1,8%.

Quatro das principais bolsas asiáticas permaneceram fechadas nesta segunda-feira por ser feriado: Tóquio, Hong Kong, Xangai e Seul.

A filial britânica do Lehman Brothers foi colocada em liquidação judicial, anunciou a empresa de auditoria PriceWaterhouseCoopers.

"Como o grupo que administra seu financiacimento a nível mundial, as atividades comerciais britânicas já não estão capacitadas para cumprir com suas obrigações", declarou Tony Lomas, um dos sócios da PriceWaterhouseCoopers.

Ao memo tempo, o banco britânico Barclays confirmou nesta segunda-feira que chegou a considerar a compra do banco de investimentos americano Lehman Brothers e que desistiu da aquisição porque a mesma não teria sido benéfica para seus acionistas.

"Confirmamos que o Barclays considerou uma fusão com o Lehman Brothers e não seguiu adiante porque não era possível fechar uma transação que fosse benéfica para os acionistas do Barclays", afirma um comunicado oficial.

mk/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.