Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Legisladores americanos pedem suspensão de normas de contabilidade financeira

Washington, 30 set (EFE).- Mais de 60 legisladores pediram hoje à Comissão de Valores dos Estados Unidos (SEC) que suspenda imediatamente as normas de contabilidade que regem o mercado financeiro, enquanto o Congresso tenta reativar um plano de resgate para o setor.

EFE |

Em carta enviada ao presidente da SEC, Chris Cox, os legisladores pediram a suspensão das normas que as empresas utilizam para medir e informar sobre certos ativos e passivos - geralmente instrumentos financeiros -, calculando o preço de venda de seus ativos ou o que pagariam para se desfazer de seus passivos.

Em virtude dessas disposições, estabelecidas pela Junta de Normas de Contabilidade Financeira (FASB) - que presta contas à SEC -, as companhias registram perdas quando o "valor justo" de seus ativos diminui ou quando aumentam seus passivos.

Essas mesmas normas de contabilidade obrigam as instituições financeiras a atribuir um "valor justo" a seus ativos ou passivos a cada trimestre.

Um crescente número de legisladores considera que essas normas, em vigor desde novembro de 2007, contribuíram para a crise financeira e agora, entre as opções que ventiladas, pedem sua suspensão.

Na carta a Cox, o democrata John Shadegg e o republicano Peter DeFazio indicaram que o Congresso dos EUA "deve proteger o povo e permitir que as instituições financeiras possam emitir os empréstimos necessários para que a economia siga marchando".

Os legisladores argumentam que isso pode ser conseguido com a suspensão das normas e sua substituição por regulamentos que reflitam o verdadeiro valor dos ativos.

Os congressistas acreditam que a suspensão das normas ajudaria as empresas afligidas com ativos sem liquidez por causa da crise hipotecária.

No entanto, a medida enfrenta a oposição de grupos defensores dos consumidores e de firmas contábeis, que insistem em que as normas não foram as responsáveis pela crise atual. EFE mp/mh

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG