Tamanho do texto

SÃO PAULO - A Klabin já iniciou uma rodada de aumento dos seus preços no final de junho e prepara novos reajustes para o mês de agosto para os produtos exportados para a Europa. Os aumentos médios estão em torno de 7% a 8%.

O diretor-geral da empresa, Reinoldo Poernbacher, explicou que os reajustes se justificam diante do forte aumento de preços do insumos usados pela empresa, como produtos químicos e combustíveis de forma geral, tais como óleo combustível, gás natural e Gás Liquefeito de Petróleo (GLP).

O kraftliner vendido na América Latina já foi reajustado em cerca de US$ 30 a US$ 35 por tonelada no final de junho e começo deste ano, uma alta de 7%, segundo Poernbacher. O mesmo reajuste deve começar a valer para a Europa no começo de agosto.

Os cartões exportados a Europa, EUA e Austrália devem subir US$ 50 no mês que vem, uma elevação em torno de 7% a 8%. No mercado interno, o preço dos cartões está subindo 8% este mês, enquanto as caixas devem ter um aumento acima de 5% também em breve.

A elevação dos preços de venda deve contribuir para melhorar a margem Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização da empresa) da Klabin. Esse indicador, que mede a relação entre o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) e a receita líquida da companhia, caiu de 28% entre o segundo trimestre do ano passado, para 23% no mesmo período deste ano. Uma margem de 30% não está fora das possibilidades, mas é uma meta muito agressiva para esse nível de câmbio disse o diretor-geral da companhia.

Além de aumentar os preços, a empresa aposta em projetos de co-geração de energia para diminuir o gasto com óleo combustível na área de embalagens. Um projeto neste sentido, que envolve o aproveitamento da energia elétrica e térmica gerada pela queima do gás natural, está sendo implantado em três das nove unidades de embalagem da empresa.

A receita líquida de vendas da Klabin aumentou 8% no primeiro semestre deste ano ante igual período de 2007, para R$ 1,520 bilhão. Já o custo dos produtos vendidos saltou 22,9% no mesmo intervalo, para R$ 1,094 bilhões.

(Fernando Torres | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.