otimista com crescimento da Argentina, apesar de crise - Home - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Kirchner diz estar otimista com crescimento da Argentina, apesar de crise

Buenos Aires, 6 out (EFE) - O ex-presidente da Argentina Néstor Kirchner se mostrou hoje otimista com a expansão econômica da Argentina frente à crise financeira internacional e afirmou que o país continuará crescendo, mas admitiu que é necessário acompanhar com atenção a evolução do problema.

EFE |

"Estamos muito otimistas, mas esse otimismo deve ser acompanhado com seriedade, com responsabilidade e trabalho, e seguir muito de perto esta crise internacional tão profunda", disse Kirchner durante um ato oficial em La Plata, cerca de 60 quilômetros de Buenos Aires.

O ex-presidente (2003-2007) reconheceu que o mundo vive uma das "maiores" crises e que ficar à margem de seus efeitos requer "muita responsabilidade" e "amor à pátria, e não com a divisa partidária".

Kirchner disse que Argentina "vai continuar crescendo" se os dirigentes souberem "capitalizar a experiência de 2001", quando ocorreu o colapso da economia argentina, e com "seriedade, com responsabilidade e equilíbrio".

Em sua opinião, nestes momentos "é muito difícil confiar nos consultores e os analistas", porque até há poucos meses não visualizaram a crise e se vivem momentos de "especulação", mas "é preciso ficar absolutamente atentos".

Kirchner teve criticou os países desenvolvidos e os organismos financeiros internacionais que questionaram as gestões dos Governos da região em períodos de crise locais.

"Não nos alegramos com esta situação internacional, mas quando os países emergentes buscavam solucionar muitos problemas através do Estado, recebiam críticas", lembrou.

"Hoje, a primeira solução que encontramos é a mesma prevíamos nos países emergentes: de últimas, o Estado é quem deve proteger os interesses dos cidadãos".

O Governo argentino não reviu seus objetivos de crescimento para este ano, de 4%, segundo o Orçamento, mas analistas privados advertiram de que a Argentina já não crescerá a "taxas chinesas" de 8%, como vinha ocorrendo nos últimos anos. EFE mar/db

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG