Tamanho do texto

Empresa que arrematou propriedade em leilão sustou o cheque dado como sinal

A venda da fazenda Piratininga foi invalidada nesta sexta-feira pela Justiça. Segundo a juíza Elisa Secco Andreoni, do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), de São Paulo, o cheque dado em sinal pela empresa Conagro, que arrematou a propriedade do dono da Vasp, Wagner Canhedo, foi sustado.

A fazenda havia sido leiloada na última quarta-feira pelo preço mínimo de R$ 430 milhões. A empresa Conagro emitiu um cheque no valor de R$ 64,5 milhões – 15% do preço mínimo. Mas o cheque foi sustado.

A pedido da juíza do TRT, o Ministério Público Federal e a Policia Federal vão ser acionadas para investigar o caso. A juíza também pediu a quebra do sigilo bancário e fiscal da empresa Conagro e seus representantes – o diretor presidente Francisco Gerval Garcia Vivoni e Andrea Cristina Nalim Garcia, assim como demais sócios Conagro Investment LLP e AFGV Participações Ltda.

Não é a primeira vez que se tenta leiloar a fazenda do dono da Vasp. Em abril, não apareceu nenhum interessado na compra da fazenda. A juíza determinou a realização de um novo leilão, cuja data será marcada para dezembro.

Grande latifúndio

Com sede em São Miguel do Araguaia, município de 21 mil habitantes a 480 quilômetros de distância da capital, Goiânia, a Fazenda Piratininga tem 130 mil hectares, 70 mil cabeças de gado e 100 mil metros quadrados de área construída.

A propriedade foi avaliada em R$ 615 milhões, mas a Justiça determinou que seu valor para venda em leilão fosse de R$ 430 milhões. O dinheiro arrecadado no leilão será usado para pagar os funcionários da Vasp, que entrou em falência em 2008.