Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Justiça francesa amplia apuração de fraude no Société

Promotores franceses colocaram sob investigação formal Thomas Mougard, assistente de Jérôme Kerviel, o homem acusado de suposto envolvimento em arriscadas transações de vários anos que teriam causado prejuízo de 4,9 bilhões de euros (US$ 7,2 bilhões) ao banco francês Société Générale (SocGen). Os promotores alegam cumplicidade de Mougard na inclusão de dados fraudulentos nos sistemas de computação, de acordo com a advogada dele, Frederique Baulieu.

Agência Estado |

 

Uma fonte do escritório da promotoria confirmou que a acusação foi feita. Mougard é o segundo empregado do banco a ser colocado sob investigação formal no caso, embora outros já tenham sido questionados. Baulieu nega qualquer contravenção da parte de seu cliente e afirmou que ele não está sob custódia da polícia.

Os promotores estão investigando há seis meses como o Société Générale pode ter incorrido em fortes prejuízos com negociações nas mãos de um operador relativamente jovem. Kerviel reconheceu aos promotores que engajou-se durante anos em transações ilícitas em seus esforços para render dinheiro ao banco.

Desde o início do caso, o Société Générale tem retratado Kerviel como um operador ingênuo que usou seus conhecimentos acerca dos controles internos do banco para enganar seus supervisores. Porém, os promotores estão tentando descobrir se Kerviel foi ajudado por seus colegas.

A decisão de colocar Mougard sob investigação pode contradizer a insistência do banco de que o comportamento de Kerviel foi algo isolado. De acordo com Baulieu, os promotores começaram a questionar Mougard após o início de uma investigação interna pelo Société Générale. Em seu relatório interno, o banco alega ter encontrado e-mails sugerindo que Mougard estaria a par das transações irregulares conduzidas por Kerviel.

Na época, o banco disse que estaria apto a julgar se o assistente poderia ser considerado um cúmplice. Mougard não trabalha mais para o Société Générale, de acordo com sua advogada e com o banco. As informações são da Dow Jones.

Leia mais sobre Société Générale

Leia tudo sobre: bancosfraude

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG