Durou pouco o alívio dos juros futuros que, após encerrarem na segunda-feira entre a queda e a estabilidade, ontem subiram, em uma sessão de volume elevado de contratos negociados. O mercado reativou o apetite por prêmios em meio aos dados da pesquisa de emprego industrial da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Durou pouco o alívio dos juros futuros que, após encerrarem na segunda-feira entre a queda e a estabilidade, ontem subiram, em uma sessão de volume elevado de contratos negociados. O mercado reativou o apetite por prêmios em meio aos dados da pesquisa de emprego industrial da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). O nível de emprego da indústria paulista subiu 1,37% em março ante fevereiro, com ajuste sazonal. No cálculo, sem ajuste sazonal, o emprego aumentou 2,05% em março. No total, a indústria criou 45 mil postos de trabalho no mês passado. De acordo com o levantamento, dos 22 setores analisados, nenhum registrou saldo negativo de vagas em março, 20 abriram vagas e dois mantiveram o quadro de funcionários. Esses dados reforçam a expectativa de que o Comitê de Política Monetária do Banco Central poderá ser mais firme na estreia do ajuste de alta da Selic este mês, elevando a taxa básica de juros em 0,75 ponto porcentual. O juro para janeiro de 2011 avançou a 10,57%; para julho de 2010, a 9,335%; e para janeiro de 2012, a 11,80%. A Bovespa subiu após duas sessões em baixa, amparada pelo avanço das ações nos Estados Unidos. O Índice Dow Jones, em Nova York, teve alta de 0,12%, permanecendo acima dos 11 mil pontos (aos 11.019,42 pontos). O Ibovespa ganhou 0,25%, para 70.792,40 pontos. Após oscilar entre leves altas e baixas, o dólar encerrou estável no balcão, cotado a R$ 1,7570.
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.