RIO DE JANEIRO - A juíza da 5ª Vara Federal Criminal, Simone Schreiber, determinou a suspensão do processo que corre naquela vara contra Salvatore Cacciola, por crime contra o sistema financeiro nacional. A suspensão do processo, no entanto, não significa sua extinção.

A defesa de Cacciola pleiteou a suspensão do processo alegando que a extradição do banqueiro foi deferida pelo Principado de Mônaco sob condição de que ele não fosse processado no Brasil por outros fatos que não aqueles considerados no processo com base no qual foi requerida sua extradição (no caso o referente às acusações de gestão fraudulenta, corrupção passiva e peculato, que corre na 6ª Vara Criminal).

Segundo a Justiça Federal do Rio de Janeiro, a decisão significa que a juíza não dará continuidade ao processo até que o Ministério da Justiça e o Ministério das Relações Exteriores esclareçam se o processo em questão está vinculado com a extradição concedida.

A defesa de Cacciola também havia pedido a revogação da prisão preventiva do banqueiro, que não foi concedida pela juíza, e o adiamento da audiência que ele daria nesta sexta-feira.

A magistrada acatou este último pedido atendendo, também, o Ministério Público Federal, que requereu o adiamento da audiência até que seja esclarecido se o Ministério da Justiça formulou pedido de extradição referente a este processo. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.