Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

JPMorgan eleva recomendação de ADR da Vivo e TIM ON para neutra

O JPMorgan elevou a recomendação para os American Depositary Receipts (ADR) da Vivo e para as ações ordinárias da TIM Participações de vender para neutra. No caso da Vivo, a mudança do rating do papel - cujo preço-alvo foi estabelecido em US$ 17 para dezembro de 2009 - decorre de uma visão mais positiva sobre as despesas atreladas ao dólar e à expectativa de que a empresa continue a ter um forte desempenho operacional.

Agência Estado |

Em relatório, os analistas Andre Baggio, Marcelo Santos e Rajneesh Jhawar afirmam que as renegociações de preços devem compensar parcialmente a valorização da moeda norte-americana. "Agora esperamos que as operadoras móveis sofram menos com a desvalorização do real, dada à fraca demanda mundial por aparelhos e equipamentos de rede que poderia reduzir o poder dos fornecedores em relação aos preços. Como resultado, esperamos que os subsídios por aparelhos representem 4,9% das receitas projetadas para 2009, 1 ponto porcentual a menos que prevíamos antes, e 15% dos investimentos/vendas, ante 17%", escreveram os analistas.

A recomendação para as ações ON da TIM Participações foi elevada pelo JPMorgan depois da decisão da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) sobre a necessidade de realização de uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) pelos papéis nas mãos dos minoritários da empresa. Pelo entendimento da CVM, a Telco - holding que assumiu o controle da Telecom Italia em 2007, que por sua vez detém a maior parte do capital votante da TIM Participações - precisa fazer uma OPA pela operadora móvel brasileira. O preço-alvo para TIM ON é de R$ 10,50. O JPMorgan alerta, contudo, que pode demorar muito tempo para um desfecho do caso, pois a Telco pode recorrer da decisão da CVM, por isso a atribuição do rating "neutra" e não "compra" para os papéis. "Contudo, acreditamos que eventualmente a Telco terá que pagar o direito de tag along aos minoritários da TIM, já que não vemos motivo para a CVM reverter sua decisão", acrescentaram os analistas.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG