Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Jirau estremece relação de Furnas com Eletrobrás

O conflito em torno do leilão da Hidrelétrica de Jirau, realizado em maio, chegou às estatais federais. As últimas medidas tomadas pelo Consórcio Jirau Energia, liderado por Odebrecht e Furnas, contestando as mudanças promovidas no projeto pela multinacional francesa Suez e seus parceiros azedaram a relação entre a Eletrobrás e a subsidiária Furnas.

Agência Estado |

O grupo vencedor alterou em nove quilômetros o eixo da usina.

No início de junho, o presidente da holding, José Antônio Muniz, afirmou que havia recomendado à Furnas que não entrasse na Justiça para discutir as alterações. Mas o consórcio, com parceria da estatal, recorreu à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), alegando irregularidades na documentação apresentada pelo vencedor na habilitação para o leilão. O recurso deve ser analisado na semana que vem.

Segundo fontes ligadas às estatais, a medida deixou o clima tenso no grupo. Isso porque Furnas detém 39% do Jirau Energia e, portanto, não estaria exercendo seu direito no sentido de barrar qualquer tipo de ação contra os vencedores. "Em vez disso, ela tem se feito de desentendida, como se o assunto não fosse com ela", disse um especialista que prefere não se identificar. O centro da discussão é que toda essa independência de Furnas vai contra a intenção da Eletrobrás de fortalecer o controle sobre as estatais do grupo (Furnas, Eletronorte, Chesf, Eletrosul e Eletronuclear). Mas, acima de tudo, vai contra pedidos do governo federal, que gostou do resultado do leilão e teme que brigas judiciais ponham o País em dificuldades energéticas nos próximos anos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG