Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Japão diz que economia pode estar em recessão

Por Tetsushi Kajimoto TóQUIO (Reuters) - O governo japonês piorou sua avaliação sobre a economia, excluindo a palavra recuperação pela primeira vez em cerca de cinco anos, à medida que os custos de matérias-primas e o desaquecimento da economia global pressiona a segunda economia do mundo para uma recessão.

Reuters |

O governo disse em seu comunicado mensal na terça-feira que a economia estava 'se enfraquecendo', uma expressão que foi usada pela última vez em abril de 2001, quando o Japão enfrentava declínio econômico.

'Há uma possibilidade de que a economia tenha entrado em recessão', disse Fumihira Nishizaki, diretor de análise macroeconômica do órgão governamental responsável pelo relatório.

O Japão define uma recessão como um declínio no ciclo econômico, diferente da definição mais usada amplamente, de dois trimestres seguidos de contração econômica.

A maioria dos analistas econômicos, incluindo autoridades do governo, dizem que o Japão está à caminho de um declínio, ou que já está lá.

O prognóstico sombrio veio a menos de uma semana antes do anúncio do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre, o qual analistas esperam que mostre uma contração depois de três trimestres de crescimento.

As encomendas para o estratégico setor de maquinaria caíram mais que o esperado em junho, sugerindo que os gastos de capital podem estar sendo retidos.

Mas com as empresas sendo prejudicadas pelo crescimento econômico dos Estados Unidos em desaceleração e pelos altos preços do petróleo, as companhias pesquisadas pelo governo prevêem que as pedidos de máquinas devem diminuir no terceiro trimestre, o que reforça uma perspectiva geral de desaquecimento.

As encomendas de máquinas são indicadores-chave de gastos de capital das companhias para os próximos seis a nove meses.

O ministro da economia, Karou Yosano, disse que a economia da país está se enfraquecendo, mas que ele está confiante que ela irá se recuperar em pouco tempo.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG