Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Japão corta juros e prevê crescimento zero para 2008-2009

O Banco Central do Japão (BoJ) anunciou nesta sexta-feira um corte de 0,20% da taxa de juros, fixando-a em 0,30%, após uma votação muito dividida no comitê de política monetária, já que alguns membros defendiam uma redução ainda maior para reativar a segunda economia mundial, enquanto as previsões de crescimento são quase nulas para este ano fiscal.

AFP |

O Japão acompanhou assim a tendência generalizada de reduzir a principal taxa básica para ajudar sua economia a lidar com o fantasma da recessão. Entretanto, o mercado não se deixou iludir: o índice Nikkei encerrou sua sessão desta sexta-feira em queda de 5,01%, após uma alta espetacular.

Para o ano fiscal 2008-2009, que vai de abril a março, o banco central japonês só prevê um crescimento econômico de 0,1%, contra a previsão de 1,2% publicada em julho passado.

"A atividade econômica do Japão é cada vez mais fraca pelas conseqüências do aumento dos preços da energia e das matérias primas e pela diminuição das exportações", destacou o banco central em seu diagnóstico semestral sobre a atividade econômica e os preços.

O banco central considera que a economia japonesa não se recuperará antes de setembro de 2009 e prometeu realizar uma política monetária adaptável e garantir uma ampla margem de liquidez ao mercado.

"Nestes tempos de incerteza e volatilidade financeira extrema, ver um comitê de política monetária dividido em dois não ajudará a tranqüilizar os mercados", lamentou Glenn Maguire, economista do Société Générale, referindo-se à votação apertada sobre os juros no banco central japonês.

Esta foi a primeira redução de juros desde março de 2001 no Japão. Naquele ano, o banco central reduziu os juros a zero para lutar contra a deflação que afetava a economia.

O objetivo do corte dos juros é aliviar a valorização galopante do iene frente ao dólar e reduzir os custos de financiamento para os bancos japoneses.

A queda de apenas 0,2% é considerada simbólica, embora de qualquer forma a margem de manobra do Banco do Japão seja mínima pelo baixo nível de suas taxas. Segundo analistas, a medida tem como objetivo mostrar que o banco central japonês está trabalhando em coordenação com os demais bancos centrais do mundo para conter a crise financeira global.

roc/lm/fp

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG