Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Japan Airlines tem prejuízo e corta projeções para o ano fiscal

SÃO PAULO - A Japan Airlines anunciou nesta sexta-feira um prejuízo líquido de 38,5 bilhões de ienes (US$ 424,91 milhões) no terceiro trimestre fiscal, encerrado em dezembro. Em igual período do exercício anterior, a companhia tinha registrado um lucro líquido de 13,14 bilhões de ienes.

Valor Online |

No período de abril a dezembro do ano passado, que resume os três primeiros trimestres do ano fiscal, a empresa teve um prejuízo líquido de 1,9 bilhão de ienes, significando uma piora de 22,3 bilhões de ienes frente ao mesmo intervalo do ano anterior.

Ainda no período de nove meses, o prejuízo operacional foi de 17,5 bilhões de ienes no segmento de transporte aéreo, uma queda de 88,8 bilhões de ienes ante igual intervalo de 2007. Já a receita operacional do grupo ficou em 1,374 trilhão de ienes, evidenciando um declínio de 1,3%.

Os resultados da Japan Airlines foram fortemente influenciados pelas despesas com combustível. "Nossos gastos operacionais foram afetados pela volatilidade dos preços dos combustíveis, que caíram muito no começo do segundo semestre, depois de permanecerem altos no início deste ano fiscal", afirmou a companhia em nota.

"Ultimamente não conseguimos nos prevenir do aumento dos custos com combustível que cresceram 107,4 bilhões de ienes na comparação frente ao ano anterior", completou.

Diante das expectativas de que a demanda mundial continuará a cair, acompanhando os efeitos da crise financeira internacional, a Japan Airlines alterou suas projeções para o ano fiscal terminado em março. A empresa, que antes previa 13 bilhões em lucros, agora acredita que registrará um prejuízo líquido de 34 bilhões de ienes.

Sobre seus planos para 2009, a empresa completa: "Com a confiança dos negócios caindo e a expectativa de que a demanda se retraia mais do que o originalmente esperado, nossa pressão para melhorar os resultados será focada mais em redução de custos e na melhora da produtividade".

(Vanessa Dezem | Valor Online com agências internacionais)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG