Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Japão descarta aliviar restrição à carne dos EUA

Tóquio, 06 - O Japão informou que não planeja aliviar as restrições comerciais impostas à carne bovina dos Estados Unidos por conta da doença da vaca louca. O comunicado antecede as negociações entre os dois países, em Tóquio, ainda nesta semana.

AE |

Tóquio, 06 - O Japão informou que não planeja aliviar as restrições comerciais impostas à carne bovina dos Estados Unidos por conta da doença da vaca louca. O comunicado antecede as negociações entre os dois países, em Tóquio, ainda nesta semana. O secretário do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), Tom Vilsack, viaja para o Japão hoje, em uma nova tentativa de encerrar uma longa disputa que criou atrito entre as nações aliadas. Contudo, o ministro de Agricultura japonês, Hirotaka Akamatsu, afirmou que "não tem planos de pedir à comissão de segurança alimentar do governo para reavaliar a carne bovina norte-americana", mesmo que Vilsack exija tal iniciativa durante a reunião programada para quinta-feira. "Pedir uma revisão pelo painel de segurança alimentar indicaria que o Japão caminha na direção de alterar a restrição comercial", acrescentou Akamatsu em uma coletiva de imprensa. "Honestamente, eu não espero fazer isso." O Japão, que costumava ser o maior importador de carne bovina dos Estados Unidos, interrompeu as compras depois que a doença da vaca louca foi detectada em um rebanho de gado norte-americano no final de 2003. À medida que a proibição ameaçou se tornar uma disputa comercial, Tóquio concordou, em 2006, em retomar as importações de carne bovina proveniente de animais com menos de 20 meses de idade, exceto de partes de alto risco, como o cérebro e a espinha dorsal. O Japão agora importa apenas 10% do volume que adquiria anteriormente. Senadores de Estados norte-americanos agrícolas novamente acusaram Tóquio de ser muito rígido com a restrição, que continua mesmo sem a ocorrência de novos casos da doença. As informações são da Dow Jones.
Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG