Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Itália adota pacote de medidas contra a crise econômica

O governo italiano de Silvio Berlusconi adotou um pacote de medidas contra a crise econômica para ajudar as famílias e as empresas, anunciou nesta sexta-feira o ministro da Economia, Giulio Tremonti.

Redação com agências |

"Conseguimos algo bom, sem mudar os projetos de orçamento para o triênio", afirmou por sua vez Berlusconi, reforçando que vai manter a meta de deixar a dívida pública abaixo dos 100% do PIB até 2011.

O plano é parte de um esforço coordenado dos países europeus para combater a recessão no continente.

O governo italiano calculou o plano em 80 bilhões de euros, valor que gerou polêmica porque a maioria desta soma já havia sido prometida antes da crise.

"O conjunto de pacotes soma 80 bilhões de euros, mas não corresponde a 80 bilhões de euros novos para o erário público", reconheceu o ministro Tremonti.

Entre as medidas do plano, estão o auxílio financeiro a famílias de baixa renda, isenção de impostos a empresas e uma ajuda de até 12 bilhões de euros para os bancos italianos, que será distribuída por meio da compra de dívidas híbridas das instituições financeiras pelo governo.

Esta semana, a Comissão Européia, braço executivo da União Européia (UE), divulgou que os 27 países do bloco destinariam 170 bilhões de euros em recursos para estimular a economia de cada um dos integrantes, o que corresponderia a uma contribuição de aproximadamente 1% do Produto Interno Bruto (PIB). Uma autoridade do governo italiano disse anteriormente que o pacote de estímulo somaria apenas 5 bilhões de euros, ou menos de 0,5% do PIB.

Durante uma entrevista coletiva, Berlusconi afirmou que o pacote é proporcionalmente menor do que planos similares formulados pelos governos da França e da Alemanha devido à grande dívida pública italiana, que limita a capacidade do governo para estimular a economia por meio da diminuição de impostos e do aumento nos gastos. A dívida da Itália corresponde a aproximadamente 105% do PIB e é a maior da Europa. Em termos absolutos, somente Estados Unidos e Japão possuem dívidas mais altas.

(Com informações da AFP e Agência Estado)

Leia também

 

Para saber mais

 

Serviço 

 

Opinião


Leia tudo sobre: crise financeira

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG