Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Irlanda liberta 3 dos 7 detidos por planos de assassinato de chargista

Londres, 13 mar (EFE).- As autoridades irlandesas colocaram em liberdade vigiada três dos sete detidos esta semana por envolvimento com um suposto plano para assassinar o chargista sueco Lars Vilks, que desenhou Maomé montado sobre um cachorro.

EFE |

São eles um casal de líbios e uma mulher palestina, libertados ontem após três dias de interrogatório. Outros três homens e uma mulher seguem detidos - outro cidadão da Líbia, um da Argélia, um croata e uma americana.

Esta última foi identificada como Jamie Paulin-Ramírez, de 31 anos, por sua mãe, Christine Mott.

Mott disse à imprensa irlandesa que o FBI (Polícia Federal americana) havia lhe informado da detenção.

Um grupo terrorista iraquiano vinculado à Al Qaeda ofereceu US$ 100 mil para quem matar o chargista, que fez os desenhos do profeta no jornal sueco "Nerikes Allehanda".

Em janeiro, Vilks recebeu ameaças de morte por telefone. As ligações eram procedentes da Somália, de acordo com a Polícia alemã.

As ameaças sucederam uma tentativa de ataque a Kurt Westergaard, chargista da publicação dinamarquesa "Jyllands-Posten", que também retratou Maomé em charges no ano de 2005.

Segundo a Polícia dinamarquesa, homem que tentou agredir Westergaard com um machado está em prisão preventiva, tem vínculos com o movimento islâmico somali Al Shabab e com a Al Qaeda na África Oriental.

O desenhista dinamarquês foi alvo de ameaças e ataques desde 205, quando publicou algumas charges do profeta Maomé que provocaram uma onda de protestos em vários países de religião muçulmana, deixando 150 mortos.

O Islã considera uma ofensa a representação do profeta Maomé em imagens. EFE.

fpb/dp

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG