Tamanho do texto

Pequim, 28 ago (EFE).- O Iraque e a China assinaram um acordo petroleiro com um investimento de US$ 3 bilhões, o maior assinado pelo país árabe desde a queda do regime do ex-presidente iraquiano Saddam Hussein, confirmou hoje o Governo chinês.

O contrato, à espera da aprovação de ambos os Governos, foi assinado pela maior petrolífera estatal chinesa, a China National Petroleum Corp (CNPC), e consiste na renegociação de um acordo assinado em 1997 para extrair petróleo da jazida de Ahdab, informou também hoje o Governo iraquiano.

A China, um dos principais valedores do antigo regime de Saddam e o maior opositor à ocupação dos EUA no Iraque, afirmou hoje que o acordo atenderá a demanda de petróleo chinesa, segundo maior consumidor do planeta.

"A cooperação petrolífera entre a China e o Iraque é realizada em benefício mútuo, ajudará no desenvolvimento econômico do Iraque e a enfrentar a demanda chinesa", disse hoje o porta-voz do Ministério de Assuntos Exteriores chinês, Qin Gang.

Quanto à possível reação crítica de Washington, o porta-voz disse, em entrevista coletiva, que o acordo da CNPC "foi feito seguindo as leis de mercado, e não prejudica os interesses de uma terceira parte".

A CNPC será proprietária de 75% da empresa mista criada com a Iraq's Northern Oil Company, que terá os outros 25%, para explodir uma jazida que produzirá 110.000 barris diários, acima dos 90.000 definidos há onze anos. EFE mz/an