Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Ipea prevê consumo recorde no natal

Pagamento do 13º e a maior oferta de crédito deverão injetar R$ 106,8 bilhões na economia até dezembro, 12,2% a mais que 2009

AE |

selo

O pagamento do 13º salário e a maior oferta de crédito ao consumidor deverão injetar R$ 106,8 bilhões na economia até dezembro, 12,2% a mais que em igual período de 2009. O número representa R$ 11,4 bilhões a mais no bolso do brasileiro, o que deve impulsionar o aumento do consumo e acelerar o ritmo de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) no último trimestre.

O ambiente favorece o aumento do consumo, segundo economistas. A facilidade em obter crédito e o aumento do emprego e da renda, associados ao cenário de inflação baixa, melhoraram o humor dos consumidores. Nos últimos dez anos, o brasileiro nunca esteve tão otimista, revela uma pesquisa mensal feita pelo Ibope Inteligência, em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI),

O índice que mede a expectativa do consumidor atingiu, em agosto, o nível mais elevado desde 2001, início da série histórica da pesquisa. Bateu em 119,3 pontos, 2,1 a mais que em dezembro do ano passado, recorde anterior. O índice tem base fixa 100. Acima desse valor, a expectativa é positiva. O otimismo dos consumidores foi embalado principalmente pelas expectativas em relação à queda do desemprego e da inflação.

O indicador de evolução do desemprego nos próximos seis meses aumentou 8,6% na comparação com julho e atingiu o maior valor da série histórica. Já o número de pessoas que esperam a queda da inflação aumentou 8%. O levantamento foi feito com cerca de 2 mil pessoas em todo o País entre os dias 18 e 21 de agosto. "Vai ser um fim de ano muito bom para crédito, porque as pessoas ficam motivadas a se endividar quando se sentem seguras no emprego", diz o vice-presidente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade, Miguel Ribeiro de Oliveira. Crédito.

Oferta de crédito

Os bancos também se sentem motivados a emprestar quando o risco de inadimplência é menor. Nesse cenário positivo, Ribeiro de Oliveira calcula que a oferta de crédito ao consumidor atinja R$ 18 bilhões entre setembro e dezembro, contra R$ 14 bilhões em igual período de 2009, É a oferta de crédito fácil que garante a compra de bens de consumo duráveis, como televisores e eletrodomésticos, entre outros artigos de alto valor unitário. Mas é o dinheiro do 13º salário que deve sustentar boa parte da expansão do consumo no último trimestre de 2010. O pagamento do chamado abono natalino deve despejar R$ 88,3 bilhões no mercado até dezembro, estima o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). A massa de recursos do 13º é 9,15% superior à que foi paga no ano passado (R$ 80,9 bilhões, em valores atualizados com base na inflação do período).

O aumento do salário médio real foi estimado em 4,9% e o crescimento do emprego, em 4,5%, Otimismo. A projeção pode ser considerada conservadora. Pela dificuldade em obter dados ficaram de fora da estimativa os trabalhadores informais que recebem o 13º. "Este deverá ser o melhor Natal da década", diz o economista Marcio Pochmann, presidente do Ipea.

Ele argumenta que o Natal de 2008 foi moderado por causa dos efeitos da crise global, enquanto o do ano passado foi de recuperação. O comércio confirma as previsões de um fim de ano gordo. "Nossa expectativa é de fechar o quarto trimestre com 15% de crescimento real de vendas (já descontado a inflação)", afirma Valdemir Coleone, diretor de relações com o mercado da Lojas Cem, rede de varejo de eletroeletrônicos e móveis.

Vendas

Os indicadores de vendas da Associação Comercial de São Paulo reforçam o clima de otimismo. Em agosto, as consultas ao Serviço Central de Proteção ao Crédito, que medem o movimento das vendas a prazo, cresceram 10,3% em relação a igual período de 2009.As consultas ao SPC/Cheque (vendas à vista ou por meio de cheques pré-datados) subiram 6,9%. "Estamos diante de excelentes resultados e não duvido que terminaremos o ano acima das expectativas", diz o presidente da entidade, Alencar Burti,

Na indústria, a expectativa é de demanda crescente. Para 57% das empresas, nos próximos seis meses a situação dos negócios será melhor do que em igual período do ano passado, mostra a Sondagem Conjuntural da Indústria de Transformação da Fundação Getúlio Vargas. Das 1.173 indústria consultadas, só 3% falam em piora. Em agosto do ano passado, o quadro era menos favorável: 44% apostavam na melhora nos negócios, enquanto 20% esperavam alguma piora.

Leia tudo sobre: ipeanatalconsumo

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG