A inflação na cidade de São Paulo, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC), ficou em 0,51% na segunda quadrissemana de março, abaixo da taxa apurada na primeira quadrissemana (0,61%). O resultado também foi menor do que a taxa de 1,09% apurada na segunda quadrissemana de fevereiro.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237561784454&_c_=MiGComponente_C

Divulgado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), o IPC ficou dentro das previsões dos analistas ouvidos pelo AE Projeções, que iam de 0,44% a 0,64%, e levemente abaixo da mediana, de 0,55%.

Dos sete grupos que compõem o IPC, dois tiveram aceleração de preços entre a pesquisa anterior e a divulgada nesta quarta-feira. São eles: Alimentação (de 1,20% para 1,27%) e Despesas Pessoais (de 0,37% para 0,43%).

Os demais grupos tiveram desaceleração: Habitação (0,60% para 0,50%); Saúde (0,46% para 0,33%) e Educação (de 0,16% para 0,15%). Os preços do grupo Transportes ficaram estáveis, depois de terem apresentado alta de 0,44% na primeira quadrissemana de março. Já os preços do grupo Vestuário, que haviam apresentado queda de 0,25% na apuração anterior, desaceleraram ainda mais na segunda quadrissemana, com recuo de 0,45%. Veja como ficaram os grupos que compõem o IPC:

Habitação: 0,50%

Alimentação: 1,27%

Transportes: 0%

Despesas Pessoais: 0,43%

Saúde: 0,33%

Vestuário: -0,45%

Educação: 0,15%

Índice Geral: 0,51%

Leia mais sobre: inflação

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.