Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

IPCA-15 sobe para 0,40% em janeiro, apura IBGE

RIO - O Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) relativo a janeiro registrou alta de 0,40%, taxa superior à apurada um mês antes, de 0,29%, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A aceleração é reflexo da alta dos alimentos e também do impacto do reajuste das tarifas de ônibus em cinco das 11 localidades pesquisadas pelo instituto na coleta de preços.

Valor Online |

Nos 12 meses encerrados em janeiro, o indicador acumula avanço de 5,79%.

Segundo o IBGE, a variação das tarifas dos ônibus urbanos captada pelo IPCA-15 foi de 2,35% e respondeu por 0,09 ponto percentual do índice cheio de janeiro. Para essa classe de despesas, o indicador captou aumentos de 3,77% no Rio de Janeiro, de 4,76% em Belo Horizonte, de 4,25% em Salvador, de 10% em Belém e de 1,13% em Curitiba. Além disso, subiram as tarifas dos ônibus intermunicipais (3,24%) e interestaduais (2,31%). No entanto, a forte queda dos preços de carros novos (-5,08%) e usados (-3,77%) fez com que o grupo Transportes registrasse ligeira deflação de 0,01%.

A variação dos alimentos cresceu de 0,34% em dezembro para 0,72% em janeiro, puxada pelo aumento das frutas (2,41%), batata-inglesa (11,87%), cerveja (2,11%) e refrigerantes (2%), entre outros.

Também subiram aluguéis (1,01%) e condomínios (1,09%), fazendo a taxa do grupo Habitação passar de 0,32% em dezembro para 0,50% em janeiro.

O IPCA-15 refere-se a famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro , Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia. O resultado mais alto em janeiro foi o de Belém, de 1,01%, por causa do reajuste dos ônibus. O menor foi o de Recife, com variação de apenas 0,01%. O IPCA-15 de São Paulo foi de 0,14% e o do Rio, de 0,97%.

O IPCA-15 é uma prévia para o resultado do IPCA, índice escolhido pelo governo para balizar o regime de metas de inflação. O cálculo dos dois indicadores é baseado na mesma metodologia. A diferença ocorre apenas nos períodos de coleta de preços.

Para o indicador deste mês, os preços foram coletados de 11 de dezembro a 14 de janeiro e comparados com os de 14 de novembro a 10 de dezembro.

(Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG