Prévia da inflação oficial tem alta mais contida no mês, mas, no acumulado do ano, índice supera resultado de 2009

Atualizada às 9h17

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) – a prévia da inflação oficial –encerrou abril com alta de 0,48%, resultado abaixo do 0,55% do mês anterior, segundo dados divulgados nesta terça-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Com isso, o acumulado no ano de 2010 situou-se em 2,51%, resultado superior ao verificado em igual período de 2009 (1,51%). Nos últimos 12 meses, o índice ficou em 5,22%, também acima dos 12 meses imediatamente anteriores (5,09%)”, completou o IBGE.

Combustíveis

O principal responsável pelo desaquecimento da inflação no mês foi o grupo combustíveis, que recuou de 0,55% em março para 0,48% em abril. O litro de gasolina ficou 2,12% mais barato, o que fez com que o item tivesse a maior contribuição de queda no IPCA-15.

Somada à queda de 13,64% no preço do litro do etanol, o grupo combustíveis respondeu por 0,15 ponto percentual na queda da prévia da inflação oficial.

“Por região, somente em Recife não houve queda nos preços dos combustíveis, ao contrário, a alta foi de 2,22%. Já em Goiânia a queda chegou a 6,79% e em Curitiba foi de 6,32%”, informou o IBGE.

Alimentos

Na outra ponta da tabela, itens importantes no orçamento das famílias tiveram alta: os salários pagos aos empregados domésticos (de 1,81% em março para 1,60% em abril), os artigos de vestuário (de 0,08% para 1,08%) e os remédios (de -0,15% para 0,70%).

Mesmo assim, os produtos e serviços não alimentícios registraram variação de 0,12% no mês, contra 0,35% de março.

Já o grupo alimentação e bebidas viu a inflação saltar de 1,22% em março para 1,71% em abril. Segundo o IBGE, a alta é atribuída a problemas climáticos. “Os preços dos alimentos já aumentaram, no ano, 4,79%, segundo o IPCA-15.”

No mês, o leite pasteurizada subiu 9,63%, contra 5,27% em março, e respondeu pela maior alta do grupo em abril. “Empatou, assim com o tomate, cujos preços chegaram a aumentar 36,81%, contribuindo também com 0,09 ponto”, completou o IBGE.

Outros alimentos que também mostraram forte aceleração de preços foram o feijão carioca (de -1,87% em março para 30,10% em abril) e a batata-inglesa (de 6,21% para 12,24%).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.