SÃO PAULO - A sexta-feira reserva os eventos de maior relevância nesta primeira semana de agosto. Por aqui, os agentes recebem o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de julho.

SÃO PAULO - A sexta-feira reserva os eventos de maior relevância nesta primeira semana de agosto. Por aqui, os agentes recebem o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de julho. A estimativa da Máxima Asset sugere inflação entre zero em 0,05%. Mais uma vez os alimentos devem mostrar contribuição negativa. Confirmada a leitura, ganha força a percepção de que o Banco Central está próximo de encerrar o ciclo de aperto monetário. Cabe lembrar que atualmente a Selic vale 10,75%. A agenda local ainda reserva o Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec) de julho. O levantamento feito pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pelo Ibope mede a perspectiva dos brasileiros sobre inflação, desemprego, renda pessoal, endividamento e intenção de compra de bens de alto valor. Já nos Estados Unidos, as atenções estão voltadas aos dados de emprego do Departamento de Trabalho. As estimativas oscilam entre o fechamento de 60 mil a 100 mil vagas no mês de julho. Em junho foram perdidos 125 mil postos. Já a taxa de desemprego, deve avançar de 9,5% para 9,6%. Ainda nos EUA, mas no período da tarde são divulgados os números sobre o crédito ao consumidor durante o mês de junho. No front corporativo estão previstos os resultados da AES Tietê e Light. No campo externo atenção ao balanços da Allianz e do Royal Bank of Scotland. Na próxima semana, os destaques da agenda local são a primeira prévia do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) e a pesquisa mensal de comércio. No EUA, atenção à produção industrial e vendas no varejo. Já na Zona do Euro foco no comportamento do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. (Eduardo Campos | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.