Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

IPCA abaixo do esperado acentua queda nos juros futuros

SÃO PAULO - Os contratos de juros futuros acentuam o movimento de baixa que já dura cerca de três semanas. Hoje, a influência veio da inflação - o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu menos do que o esperado em novembro.

Valor Online |

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a inflação oficial ficou em 0,36% no mês passado, recuando de 0,45% em outubro e abaixo do 0,5% estimado pelo mercado.

Agora, além das evidências de menor crescimento, as apostas de juro mais baixo também passaram a ter respaldo na inflação menos pressionada.

Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM & F), o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2010 opera com baixa de 0,27 ponto percentual, a 13,40%. Já o contrato para janeiro 2011 também tinha desvalorização de 0,36 ponto, a 13,79%. E janeiro 2012 apontava 13,68%, queda de 0,39 ponto percentual.

Na ponta curta, o DI para janeiro de 2009 caía 0,03 ponto, apontando 13,49%. E julho de 2009 perdia 0,12 ponto, projetando 13,57%.

Segundo o analista econômico da Mercatto Investimentos, Gabriel Goulart, o mercado vem migrando para uma expectativa de corte de juros apesar do descontrole do câmbio. Mas o analista lembra que essa não é uma sinalização positiva, pois evidencia que o cenário econômico esperado é negativo.

Para o especialista, a grande aposta e um corte de juros antes do estimado pelas curvas. "Mas mesmo se o BC cortar a taxa em janeiro, o movimento já é atrasado. A desaceleração no primeiro trimestre será grande."
Goulart aponta que a contração da economia ficou mais evidente depois dos dados sobre produção de automóveis apresentados, ontem, pela Anfavea. Segundo a associação, a produção desabou 34% em novembro em comparação com outubro, maior queda mensal desde 1990.

No lado da inflação, o desconforto vem com o comportamento do câmbio, que agora firma posição acima de R$ 2,50, e com as expectativas ainda pressionadas para o ano que vem. No entanto, Goulart acredita que as commodities mais baratas e a própria retração da economia devem segurar uma elevação acentuada dos preços.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG