Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Investimentos e novos carros

Um canteiro de obras, que a transformará em uma das três maiores fábricas de automóveis do mundo em capacidade produtiva - esse é o quadro visto hoje na Fiat em Betim (MG). Só do ano passado para cá, a empresa contratou 4,4 mil trabalhadores, para uma produção de 800 mil veículos.

Agência Estado |

Na Itália, a matriz do grupo anunciou que fechará quatro de suas cinco fábricas durante três semanas em setembro e novembro por causa da queda das vendas.

No período de janeiro a junho, a Fiat registrou queda de 6,8% nas vendas na Itália. No Brasil, os negócios da marca cresceram 26,4%. "O mercado brasileiro tem potencial para continuar crescendo, enquanto a Europa, os Estados Unidos e o Japão são mercados maduros e a taxa de veículo por habitante já é elevada", justifica Lélio Ramos, diretor-comercial da empresa.

O Brasil é o maior mercado da Fiat fora da Itália há vários anos. Sua representatividade nas vendas do grupo sempre ficou na casa dos 25% a 28%, mas este ano chegou aos 31%, com 336 mil unidades, incluindo as que foram exportadas. Na América do Sul, a marca vendeu 377 mil veículos, muito próximo das vendas na Itália, que somaram 380 mil unidades.

Lançamento

Com um surpreendente crescimento de 91,8% nas vendas no Brasil, a Renault - que começou a recuperar espaço no mercado a partir do ano passado, com o início das vendas do Logan e do Sandero - prepara mais um lançamento para agosto, que será anunciado pelo presidente mundial do grupo, Carlos Ghosn, em visita ao País.

Já na França, onde as vendas da marca cresceram 6,5% no semestre, a Renault apresentou um plano de corte de empregos, além do congelamento de contratações na Europa. Os gastos com pesquisa e desenvolvimento vão diminuir e lançamentos serão cancelados ou adiados. A empresa também anunciou que suspenderá a produção das fábricas francesas por vários dias em agosto e setembro.

Outro grupo francês, a PSA Peugeot Citroën, que viu suas vendas caírem 2% na Europa este ano, contabiliza um incremento de 38% nos negócios no Brasil.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG