A recuperação da atividade econômica levou empresas de setores voltados ao mercado doméstico a retomarem projetos de investimento que ficaram engavetados durante a crise financeira mundial. Pesquisa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), com 1.

A recuperação da atividade econômica levou empresas de setores voltados ao mercado doméstico a retomarem projetos de investimento que ficaram engavetados durante a crise financeira mundial. Pesquisa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), com 1.232 empresas em todo o País, indica que a indústria de transformação vai investir este ano R$ 151,9 bilhões em máquinas, equipamentos, instalações, gestão, inovação e pesquisa e desenvolvimento (P&D). O valor é 26,4% maior que os R$ 120,2 bilhões de 2009. Só para máquinas e equipamentos, deverão ser destinados R$ 92,7 bilhões , 14,6% mais que no ano passado (R$ 80,9 bilhões). Com base nesse número, a Fiesp estima que a taxa de investimento atingirá 18,4% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2010. Para a Fiesp, isso seria suficiente para garantir crescimento do PIB superior a 5,5% no ano, o que tornaria desnecessária a elevação da taxa básica de juros (Selic) esperada pelo mercado e já sinalizada pelo Banco Central. Normalmente, seria necessário alcançar taxa de investimento de 25% do PIB para que a economia pudesse crescer acima de 5,5% sem provocar pressões inflacionárias. Com a crise, no entanto, boa parte das empresas, segundo a Fiesp, ainda trabalha com folga de capacidade, por causa da queda das exportações, "A volta dos investimentos, dos turnos desativados e das horas extras garante o atendimento da demanda com crescimento de 5,5%", afirma o diretor do Departamento de Competitividade e Tecnologia da Fiesp, José Ricardo Roriz Coelho, que coordenou a pesquisa. Alta do juro. A maioria dos economistas de mercado pensa de forma diferente. "Para proteger a meta de inflação, o BC terá de iniciar um processo de alta do juro", diz o ex-presidente do BC Gustavo Loyola. "Acreditamos que uma alta de 2,5 pontos porcentuais nos próximos meses seria suficiente para colocar os juros no ponto de equilíbrio." A pesquisa mostra que os investimentos das empresas vão focar a expansão do mercado, mas sem deixar de se preocupar com uma produção eficiente e custos reduzidos. "As empresas querem recompor margem e participação de mercado perdidas em 2009", diz Roriz Coelho. A principal origem dos recursos para investimento continuará a ser o caixa da empresa. No entanto, a demanda por recursos públicos deverá aumentar de 12,8% para 17,3% do investimento, o que exigiria esforço adicional do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). "O BNDES tem exercido papel fundamental como indutor do investimento, mas ainda fala só a linguagem das grandes empresas, que podem recorrer ao mercado de capitais", diz Roriz Coelho. Não por acaso, segundo Roriz, os investimentos estão concentrados nas grandes empresas, responsáveis por 79,5% do total previsto para o ano. <i>As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.</i>
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.