Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Investidor realiza lucro e bolsas caem

A vitória do democrata Barack Obama na americana provocou ontem um movimento de realização de lucros nos mercados. As vendas de ações e também de dólares no mercado internacional de moedas refletiram, ainda, a reação aos fracos indicadores da economia americana, que reforçam a fragilidade do país e a necessidade de ação concreta do novo governo para estancar a recessão no país.

Agência Estado |

Os principais indicadores do mercado acionário americano tiveram fortes perdas, que foram acompanhadas pela bolsa brasileira. O Índice Dow Jones, o mais tradicional da Bolsa de Nova York, perdeu 5,05% e a bolsa eletrônica Nasdaq, 5,53%. O Índice Bovespa caiu 6,13%.

"O movimento de correção hoje (ontem) é absolutamente normal. Os investidores reagiram ao boato e realizaram no fato (eleição de Obama)", comentou um profissional, reproduzindo uma das frases mais famosas do mercado. Segundo ele, números divulgados nos Estados Unidos também não foram bons, mas "os dados de dezembro já devem começar a dar alguns sinais de melhora".

As perdas foram aprofundadas à tarde, conforme os investidores passaram a se preocupar com os sinais de que Obama vai herdar uma economia em péssimo estado. A análise foi a de que o novo presidente terá pouco tempo para comemorar.

A Pesquisa Nacional de emprego da ADP/Macroeconomic Advisers revelou o corte de 157 mil vagas de trabalho no setor privado americano em outubro. O número, considerado uma prévia do relatório de emprego, que sai sexta-feira, superou as previsões dos analistas, de perda de 100 mil vagas.

O Instituto para Gestão de Oferta (ISM) também mostrou piora no seu indicador: o índice de gerentes de compra sobre a atividade no setor de serviços dos Estados Unidos caiu de 50,2 em setembro para 44,4 em outubro, o menor nível desde julho de 2003.

Com tudo isso, as expectativas para o governo Obama são grandes. Para a corretora francesa Exane BNP Paribas, por exemplo, o novo presidente pode levar a um choque positivo de confiança. Com esse cenário, o mercado já faz suas apostas sobre a nova equipe.

"O novo presidente está bem assessorado, inclusive pelo ex-presidente do Fed Paul Volcker. Isso tranqüiliza o mercado", afirmou um profissional. Ele ressaltou, no entanto, que ninguém espera uma solução milagrosa, da noite para o dia. A tendência de baixa, disse, ainda não foi revertida, embora as bolsas já tenham deixado os piores níveis para trás.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG