SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - A inflação pelo Índice Geral de Preços-10 desacelerou fortemente em agosto, ajudada pelos produtos agrícolas, e exibiu a menor variação em pouco mais de um ano. A Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou nesta segunda-feira que o indicador subiu 0,38 por cento neste mês, menor taxa desde julho do ano passado, ante 2,0 por cento no mês anterior.

'A situação melhorou muito, mas tenho dúvida se esse é o novo patamar da inflação', disse o economista da FGV Salomão Quadros.

Segundo a FGV, houve uma desaceleração generalizada de preços capitaneada pelos alimentos.

Os produtos agropecuários passaram de alta de 4,66 por cento para queda de 1,98 por cento, enquanto os industriais tiveram a alta reduzida de 1,71 para 1,13 por cento.

As matérias-primas brutas lideram o recuo do IGP-10. O grupo teve deflação de 1,87 por cento em razão da queda das commodities no mercado internacional e a soja foi o principal destaque, com deflação de 6,35 por cento.

Segundo Quadros, o pior momento da pressão dos alimentos já pode ter passado, mas é preciso ficar alerta.

'Vários produtos agrícolas estão caindo e isso já está se intensificando no varejo. Acho que o pior da inflação de alimentos já passou, mas a conjuntura ainda não é de tranquilidade', disse.

'A questão alimentar ainda não está totalmente equacionada.

O equilíbrio entre oferta e demanda precisa ser acompanhado e o consumo mundial continua forte.'

Entre os componentes do IGP-10, o Índice de Preços por Atacado (IPA) avançou 0,25 por cento no mês, ante alta anterior de 2,54 por cento.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,36 por cento em agosto, após variação positiva de 0,65 por cento em julho.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou elevação de 1,43 por cento, ante alta de 1,50 por cento no mês anterior.

O IGP-10 foi calculado com base nos preços coletados entre os dias 11 de julho e 10 de agosto.

(Por Renato Andrade e Rodrigo Viga Gaier)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.