Preços de alimentos, que têm pressionado a inflação neste ano, devem apresentar queda expressiva nos próximos meses

A inflação na cidade de São Paulo ultrapassará 5,5% em 2010, segundo cálculos da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Em outubro, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-Fipe) chegou a 1,04%, quase o dobro do percentual verificado em setembro (0,53%), no maior aumento de preços desde janeiro, quando a inflação atingiu 1,34%. Como esse resultado, o IPC já acumula alta de 5,08% no ano.

Desde junho, a inflação vem apresentando tendência ascendente, mas de acordo com o coordenador do IPC-Fipe, Antonio Elvado Comune, esse movimento não deverá se sustentar neste final de ano. "Os preços dos alimentos, que mais têm pressionado a inflação, já começam a recuar, e devem apresentar queda expressiva nos próximos meses", afirma.

A expectativa da Fipe é que o IPC desacelere até 0,47% em novembro. Para dezembro e para 2011, a entidade não arrisca um palpite. "Nos próximos meses, o comportamento dos preços vai depender de como será solucionada a questão cambial. Estamos na esteira do que vai acontecer na China e nos Estados Unidos", avalia Comune.

"A marolinha ainda pode provocar estragos por aqui", complementa, referindo-se aos comentários feitos pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2008 sobre a crise global. O coordenador do IPC-Fipe argumenta que a China, por ser uma grande compradora de commodities, pode ditar preços.

"Nossa situação não é confortável. Não temos o controle dos preços e, portanto, não podemos contrariar a China", diz. O dólar fraco deve manter os preços dos produtos industrializados sob controle, apesar da forte demanda interna. "Esse será o Natal dos importados", ressalta Comune.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.