IPC-S manteve o ritmo de desaceleração e apresentou deflação de -0,21% na última semana de julho

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) de 31 de julho de 2010 mateve o ritmo de desaceleração e apresentou deflação de -0,21%, taxa 0,07 ponto percentual abaixo da registrada na última divulgação, quando houve recuo de 0,14 no indicador. Em todas as medições de julho a taxa apresentou recuo em relação ao período anterior.

Com este resultado, o índice acumula alta de 3,42% no ano e 4,36%, nos últimos 12 meses. O IPC-S mede o custo de vida de famílias com renda mensal entre 1 e 33 salários mínimos nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife e Brasília.

Segundo dados divulgados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), cinco dos sete setores utilizados para o cálculo do IPC-S registraram recuos em suas taxas de variação: alimentação (-0,94% para -1,19%), vestuário (-0,51% para -0,70%), saúde e cuidados pessoais (0,54% para 0,42%), educação, leitura e recreação (-0,07% para -0,10%) e habitação (0,24% para 0,23%).

Esses grupos foram influenciados pelo comportamento dos preços dos itens: hortaliças e legumes (-7,59% para -8,84%), roupas (-0,63% para -0,82%), artigos de higiene e cuidado pessoal (0,76% para 0,55%), passagem aérea (-5,66% para -7,09%) e empregados domésticos (0,27% para 0,14%), respectivamente.

Em contrapartida, os grupos: transportes (-0,04% para 0,15%) e despesas diversas (0,84% para 0,95%) apresentaram avanços em suas taxas de variação. As contribuições para este movimento partiram dos itens: álcool combustível (-1,22% para 2,29%) e mensalidade de internet (-0,60% para 0,31%).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.