Tamanho do texto

SÃO PAULO - O Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i) acumulou um aumento de 6,35% em 2008. Segundo pesquisa divulgada nesta sexta-feira pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), somente no quarto trimestre, o indicador teve alta de 1,60%.

A FGV revelou que a inflação referente ao ano passado da cesta de consumo das famílias compostas majoritariamente por idosos ficou acima do indicador para o Brasil (IPC-BR) como um todo, que registrou 6,07% em 2008.

No período, os itens que apresentaram maior influência para a alta do IPC-3i foram Plano e Seguro de Saúde, cuja variação em 2008 foi de 7,42%, além do tomate, com avanço de 110,47%, do pão francês, com alta de 21,52%, do aluguel residencial (6,04%) e da empregada doméstica mensalista (8,29%).

Na base trimestral, a taxa dos últimos três meses do ano passado foi a segunda maior de 2008, atrás apenas do segundo trimestre, quando a variação foi de 2,64%. Nesta comparação, o grupo Alimentação foi o que mais influenciou na elevação do IPC-3i, ao sair de uma deflação de 0,98% no três meses anteriores para uma alta de 2,36% no quarto trimestre.

"A contribuições para a alta partiram de alimentos essenciais à cesta de consumo das famílias com idosos", afirmou a FGV em nota. Neste sentido, o destaque do período ficou com hortaliças e legumes (-16,50% para 7,63%), laticínios (-3,14% para 0,99%) e carnes bovinas (3,59% para 7,35%).

Também contribuíram para a aceleração do IPC-3i no quarto trimestre os ramos Saúde e cuidados pessoais, com crescimento de 1,43% ante 1,26%, Vestuário, que deixou para trás queda de 0,25% para acréscimo de 2,27%, e Transportes, com crescimento de 1,33% frente a 0,47%. Educação, Leitura e Recreação passou de uma expansão de 0,67% para 1,65% na comparação trimestral.

Do lado contrário, contribuíram para a desaceleração da inflação da terceira idade no quarto trimestre os grupos Habitação, que saiu de 1,68% no terceiro trimestre para 1,12% no quarto, e Despesas Diversas, de 2,20% para 0,53%.

O IPC-3i mede a variação da cesta de consumo de famílias majoritariamente compostas por indivíduos com mais de 60 anos de idade. Ele é calculado com base em ponderações distintas do índice de preços geral, por levar em consideração despesas mais significativas da terceira idade.

(Vanessa Dezem | Valor Online)