Washington, 16 jan (EFE).- O Índice de Preços ao Consumidor caiu 0,7% em dezembro em EUA, com o que em todo o ano de 2008 a inflação subiu apenas 0,1%, o número mais baixo dos últimos 54 anos, segundo informou hoje o Departamento de Trabalho.

Por sua parte, o Federal Reserve (Fed, banco central americano) informou que em dezembro a produção das fábricas, minas e unidades de serviços caiu 2% em dezembro, e diminuiu 1,8% em todo o ano passado.

Apesar do desemprego continuar crescendo - já está em 7,2% - e os valores dos investimentos terem despencado, quem tem trabalho pode se consolar com o dado que os salários, ajustados pela inflação, subiram 0,6% em dezembro, e aumentaram 2,9% em todo 2008.

Em dezembro o IPC teve sua terceira diminuição mensal consecutiva, liderada pela queda de 8,3% nos preços da energia e de 0,1% nos dos alimentos.

Em novembro o IPC tinha caído 1,7%.

Se forem excluídos os preços de alimentos e energia, que são os mais voláteis, o núcleo da inflação no IPC de 2008 foi de 1,8%, a menor desde 2003.

Em todo o ano passado os preços da energia caíram 21%, a maior queda desde, pelo menos, 1958, quando começou o registro deste dado.

Os preços da gasolina diminuíram 43%, também a maior queda desde 1937.

Os preços das roupas, dos veículos novos, das passagens de avião e do lazer caíram no mês passado.

A queda de 3,2% nos preços dos automóveis novos em 2008 foi a maior desde 1971, segundo o relatório do Governo.

A possibilidade real de uma deflação prolongada, em outras circunstâncias, ampliaria a margem de ação do Fed para a manipulação da política monetária, mas com a taxa básica de juros perto de 0%, não resta muito para fazê-la cair ainda mais.

Apesar de meses de quedas de preços, o comércio no varejo teve em dezembro sua pior época de vendas em quatro décadas.

A cautela dos consumidores - cuja despesa equivale a mais de dois terços da atividade econômica dos EUA - levou a uma menor demanda de produtos, bens e serviços, como mostra o relatório do banco central americano.

Assim, a produção industrial sofreu queda de 1,8% no conjunto do ano, frente a uma diminuição de 1,7% registrada em 2007.

Este é o pior dado desde que em 2001 caiu 3,4%, ano no qual os Estados Unidos sofreram uma recessão de nove meses. Segundo os economistas, os EUA estão agora no 11º mês desta recessão.

A produção das fábricas, que equivale a 80% da do setor industrial, caiu 2,3%, liderada por uma queda de 7,2% na fabricação de veículos automotores e acessórios.

A indústria de bens duráveis, que inclui automóveis, móveis e artigos eletrônicos, diminuiu em dezembro 4,7%.

Quanto às empresas de serviços públicos, elas tiveram queda de 0,1%, após terem subido 1% em novembro.

No que se refere à produção mineira e energética, que inclui as plataformas de perfuração de petróleo, ela caiu 1,6%, ao contrário do aumento de 2,2% experimentado no mês anterior.

O uso da capacidade das plantas de produção caiu dos 75,2% em novembro para 73,6%, e foi 7,4 pontos percentuais menor da média registrada entre 1972 e 2007. EFE jab/ma

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.